Manifestantes enfrentam repressão em protesto por vacina na Tailândia

"Queremos que Prayuth renuncie porque as pessoas não estão sendo vacinadas", disse um ativista de 23 anos.

Manifestantes disparam rojões contra as forças de repressão no dia 7 de agosto — Foto: Cory Wright

Na últimos dias 7 e 10 de agosto, milhares de tailandeses foram às ruas da capital protestar contra a má gestão da de pelo governo local, comandado pelo premiê Prayuth Chan-ocha. Até a data das manifestações, apenas 6% da população nacional havia sido imunizada e o país, de 66 milhões de habitantes, atingia o recorde de mortes pela doença em um intervalo de 24 horas – 235, quatro vezes mais do que qualquer dia de 2020. O total desde o início da crise sanitária passa dos 6.000.

“Queremos que Prayuth renuncie porque as pessoas não estão sendo vacinadas”, disse um ativista de 23 anos, que forneceu apenas seu primeiro nome, Aom. “Não temos empregos e renda, portanto não temos escolha a não ser protestar.”

Os manifestantes foram recebidos com bombas de gás lacrimogênios, canhões de água e balas de borracha pelas tropas do Estado, ao que responderam lançando objetos e rojões contra os agentes. Durante o confronto, duas cabines da foram incendiadas e pelo menos seis policiais ficaram feridos – um deles com um tiro na perna e outros três por estilhaços de uma bomba caseira.

Manifestantes queimam sacos de cadáveres falsos, representando vítimas do surto e uma marionete representando o primeiro-ministro da Tailândia, Prayuth Chan-ocha, durante um contra o governo em Bangkok, Tailândia, em 18 de julho de 2021 — Foto: Reuters

Os participantes do ato também jogaram sangue de porco na fachada da Sino-Thai Engineering and Construction – empreiteira que possui ligações com o ministro da Pública Anuthin Charnuvirakun. Outra corporação que teve suas instalações atacadas foi a  King Power, um monopólio do varejo isento de impostos, que é conhecido por conta de seu apoio a Prayuth.

O movimento, composto principalmente por jovens, parece ter ganho um novo fôlego após uma forte aos protestos que atraíram centenas de milhares de pessoas no ano passado ter cessado temporariamente a mobilização popular. Os ativistas também quebraram tabus, reivindicando o fim da monarquia, se arriscando a serem criminalizados por meio da “lei da majestade”, que prevê uma pena de até quinze anos de prisão por “difamar o rei, a rainha, o rei ou o regente”.

Manifestantes atiram pedras na com estilingue no dia 7 de agosto — Foto: Cory Wright

Mídia1508

A 1508 é um coletivo de jornalismo independente anticapitalista, dedicado a expor as injustiças sociais brasileiras e a noticiar as mobilizações populares no Brasil e no mundo.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Últimas Notícias

1 ano sem Moïse

A mãe de Moïse esteve pela primeira vez no quiosque onde seu filho foi assassinado. Revoltado,…