Moradores acusam PMs por assassinato de meninas em Caxias

Lídia Santos, avó de Rebeca, relata que descia do ônibus no momento em que ouviu o tiroteio. Tanto ela quanto os vizinhos afirmam que os tiros foram feitos por dois policiais militares.

Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal

Na noite desta sexta-feira (4), por volta das 20h30, duas meninas foram mortas com tiros de fuzil na Barro Vermelho, em Duque de Caxias, região metropolitana do Rio de Janeiro. As duas eram primas e brincavam na porta de casa quando aconteceram os disparos. Emilly Victoria, que segundo familiares completaria 5 anos em dezembro, foi alvejada na cabeça. Já Rebeca Beatriz Rodrigues dos Santos, 7 anos, foi atingida no abdômen.

Lídia Santos, avó de Rebeca, relata que descia do ônibus no momento em que ouviu o tiroteio. Tanto ela quanto os vizinhos afirmam que os tiros foram feitos por dois policiais militares, que segundo a avó não prestaram socorro às crianças:

“Eu desci do ônibus e ouvi os disparos. Vi que tinha uma viatura da PM que saiu logo depois. Quando fui chegando perto de casa, eu vi que a Emily estava no chão com um tiro na cabeça e morta. Quando entrei no quintal, a mãe da Rebeca estava gritando que mataram a filha dela. Ela ainda estava viva, mas respirava com dificuldades. A socorrermos e levamos para a UPA, mas infelizmente não resistiu. A chega atirando, não pensa nos moradores das comunidades. Eram crianças que estavam brincando na porta de casa”, denuncia.

Lídia lembra que Rebeca completaria 5 anos no próximo dia 23 de dezembro e estava empolgada com sua primeira festinha. “Ela queria uma festa da Mohana, estava tudo preparado. Queria uma festinha igual à da prima. Seria a primeira festinha dela”, completou.

Os corpos foram encaminhados para o Instituto Médico Legal (IML) de Duque de Caxias. O sepultamento deve acontecer ainda na tarde deste sábado, no Cemitério Nossa Senhora das Graças, também em Duque de Caxias.

Mídia1508

A 1508 é um coletivo de jornalismo independente anticapitalista, dedicado a expor as injustiças sociais brasileiras e a noticiar as mobilizações populares no Brasil e no mundo.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Últimas Notícias

1 ano sem Moïse

A mãe de Moïse esteve pela primeira vez no quiosque onde seu filho foi assassinado. Revoltado,…