Moradores acusam PMs por assassinato de meninas em Caxias

Lídia Santos, avó de Rebeca, relata que descia do ônibus no momento em que ouviu o tiroteio. Tanto ela quanto os vizinhos afirmam que os tiros foram feitos por dois policiais militares.

2 mins read
Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal

Na noite desta sexta-feira (4), por volta das 20h30, duas meninas foram mortas com tiros de fuzil na , em , região metropolitana do . As duas eram primas e brincavam na porta de casa quando aconteceram os disparos. Emilly Victoria, que segundo familiares completaria 5 anos em dezembro, foi alvejada na cabeça. Já Rebeca Beatriz Rodrigues dos Santos, 7 anos, foi atingida no abdômen.

Lídia Santos, avó de Rebeca, relata que descia do ônibus no momento em que ouviu o tiroteio. Tanto ela quanto os vizinhos afirmam que os tiros foram feitos por dois policiais militares, que segundo a avó não prestaram socorro às crianças:

“Eu desci do ônibus e ouvi os disparos. Vi que tinha uma viatura da PM que saiu logo depois. Quando fui chegando perto de casa, eu vi que a Emily estava no chão com um tiro na cabeça e morta. Quando entrei no quintal, a mãe da Rebeca estava gritando que mataram a filha dela. Ela ainda estava viva, mas respirava com dificuldades. A socorrermos e levamos para a UPA, mas infelizmente não resistiu. A Polícia chega atirando, não pensa nos moradores das comunidades. Eram crianças que estavam brincando na porta de casa”, denuncia.

Lídia lembra que Rebeca completaria 5 anos no próximo dia 23 de dezembro e estava empolgada com sua primeira festinha. “Ela queria uma festa da Mohana, estava tudo preparado. Queria uma festinha igual à da prima. Seria a primeira festinha dela”, completou.

Os corpos foram encaminhados para o Instituto Médico Legal (IML) de Duque de Caxias. O sepultamento deve acontecer ainda na tarde deste sábado, no Cemitério Nossa Senhora das Graças, também em Duque de Caxias.

Mídia1508

Somos um coletivo de mídia independente anticapitalista. Nosso conteúdo é livre de influência de qualquer instituição política. Funcionamos sem qualquer tipo de propaganda. Nosso trabalho é feito por quem acredita que jornalismo não é publicidade e que portanto tem uma função social fundamental para conseguirmos transformar a nossa realidade.

Deixe seu comentário

Your email address will not be published.

Últimas Notícias