Cidade maravilhosa ou miliciana? Imigrante congolês é espancado até a morte por cobrar direitos trabalhistas

Documento indica que pulmões de Moïse Kabagambe tinham áreas hemorrágicas de contusão e também vestígios de broncoaspiração de sangue. Ele foi espancado até a morte em um quiosque na Barra.

Familiares e amigos protestam durante enterro de Moise Kabamgabe no Cemitério de Irajá, dia 30/01 — Foto: Reprodução

O corpo de Moïse Kabagambe, de 24 anos, foi enterrado no Cemitério de Irajá, na Zona Norte do Rio, no domingo (30/01). O sepultamento foi marcado por muita e protestos. A família de Moïse pede justiça.

A família de Moïse esteve nesta segunda-feira (31) com a Comissão de da OAB, que vai acompanhar o caso.

O caso ganhou repercussão após a família realizar uma manifestação no sábado (29) pedindo informações sobre o assassinato. O protesto na praia da rompeu o silêncio de um crime cometido há dias.

Os parentes só souberam da morte na manhã de terça-feira (25), quase 12 horas após o assassinato. Eles ficaram ainda mais revoltados durante o reconhecimento do corpo no IML (Instituo Médico Legal).

Moïse nasceu no Congo, na África, e trabalhava por diárias em um quiosque perto do Posto 8. A família disse que o responsável pelo quiosque estava devendo dois dias de pagamento para Moïse e que, quando ele foi cobrar, foi espancado até a morte. Ele cobrava R$ 200 por duas diárias de trabalho não pagas no quiosque Tropicália, na orla da Barra da Tijuca, na da cidade. A informação é da deputada estadual Dani Monteiro (Psol), presidente da Comissão de da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj).

Segundo testemunhas, as agressões duraram pelo menos 15 minutos e foram gravadas pelas câmeras de segurança do quiosque.

A família deixou a África em 2014 para fugir da e da fome.

A mãe está inconformada e disse que a violência foi motivada por racismo. Moïse apanhou de 5 homens que, segundo testemunhas, usaram pedaços de madeira e um taco de beisebol.

Ele foi encontrado em uma escada, amarrado e já sem vida.

Familiares e amigos protestam durante enterro de Moïse Kabagambe no Cemitério de Irajá, dia 30/01 — Foto: Reprodução

O assassinato

Em entrevista à jornalistas, Yannick Kamanda, primo de Moïse, que viu as imagens da câmera de segurança do quiosque, faz um relato assustador de como aconteceu o assassinato. Yannick afirma que tudo permaneceu funcionando. O dia de trabalho continuou, mesmo com a morte de Moïse.

“O início da gravação que eu vi é ele reclamando com o gerente do quiosque. Alguns minutos seguintes, o gerente pegou um pedaço de madeira para ameaçar ele. Até então, ele estava só recuando. E o cara foi atrás dele. Como ele estava reivindicando alguma coisa, ele pegou uma cadeira e dobrou para se defender. chegou a atacar ninguém. O gerente chamou uma galera que estava na frente do quiosque. Até então tinha só um sentado”,

Yannick Kamanda, primo de Moïse

Segundo o familiar, as agressões se agravaram.

“Veio uma galera que o arremessou no chão, tentando dar um de mata-leão nele. Vieram mais algumas pessoas bater nele com madeira, veio outro com uma corda, amarrou as mãos e as pernas para trás, passou a corda pelo pescoço. Ficou amarrado no mata-leão, apanhando. Tomando soco e taco de beisebol nas costelas. Até ele desmaiar”.

Yannick Kamanda, primo de Moïse

“Eles foram embora e ficou só o gerente do quiosque. E ele deitado no chão, como se nada estivesse acontecendo. Trabalhando, atendendo cliente. E o corpo lá”, afirmou Yannick Kamanda.

Moïse Kabagambe, 24 anos — Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal

Mídia1508

A 1508 é um coletivo de jornalismo independente anticapitalista, dedicado a expor as injustiças sociais brasileiras e a noticiar as mobilizações populares no Brasil e no mundo.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Últimas Notícias