Racismo e hipocrisia na cobertura midiática do conflito na Ucrânia

O mundo inteiro foi capaz de ver a extensão do racismo sistêmico da grande mídia ocidental. As vozes vêm criticando esses conglomerados de mídia por suas visões tendenciosas em relação a pessoas de outros lugares além da Europa e dos Estados Unidos.

O mundo inteiro pôde ver até onde vai o racismo sistêmico da principal mídia ocidental — Foto: Arquivo

Além de fraudes da mídia, notícias falsas e operações psicológicas em andamento por meio de porta-vozes políticos, mídia de informação e propaganda e mídias sociais, a cobertura ocidental da operação especial da Federação Russa na Ucrânia está deixando vestígios de supremacia eurocêntrica e hipocrisia racista.

A seletividade da indignação em relação aos conflitos armados é acentuada quando a vara da Nova Guerra Fria é trazida à tona: as agressões sistemáticas contra palestinos, iemenitas, africanos colonizados, Donbass de língua russa e outros povos do Sul Global são total ou parcialmente omitidas enquanto se faz uma espécie de lavagem dos rostos (e das mãos) dos atlanticistas beligerantes que realizam tais agressões.

O mundo inteiro foi capaz de ver a extensão do sistêmico da grande mídia ocidental. As vozes vêm criticando esses conglomerados de mídia por suas visões tendenciosas em relação a pessoas de outros lugares além da Europa e dos Estados Unidos.

O jornalista americano Alan MacLeod fez uma compilação de momentos televisivos em que a cobertura racista de jornalistas e porta-vozes políticos euro-gringos é mostrada em todo o seu esplendor. Vamos ver.

  • Da BBC : “É muito emocionante para mim, porque vejo como eles matam europeus com olhos azuis e cabelos loiros”, disse o vice-procurador-chefe da Ucrânia, David Sakvarelidze.
  • Charlie D’Agata, Correspondente Estrangeiro da CBS : “Isto não é Iraque ou Afeganistão… Esta é uma cidade relativamente civilizada e relativamente europeia”, referindo-se a Kiev.
  • Da Al-Jazeera : “O que é atraente é olhar para eles, a maneira como eles estão vestidos. Eles são pessoas ricas, de classe média. Obviamente, eles não são tentando escapar do Oriente Médio… ou do norte da África. . Eles se parecem com qualquer família européia que moraria ao seu lado”.
  • BFM TV da França : “Estamos no século 21, estamos em uma cidade europeia e temos mísseis de cruzeiro disparados como se estivéssemos no Iraque ou no Afeganistão, você pode imaginar!?”
  • Daniel Hannan para The Daily Telegraph : “Desta vez, a guerra está errada porque as pessoas se parecem conosco e têm contas no Instagram e Netflix. Não está mais em um país pobre e remoto.”
  • UK ITV : “O impensável aconteceu… Esta não é uma nação em desenvolvimento do Terceiro Mundo. Esta é a Europa!”
  • A TV BFM da França (novamente): “É uma questão importante. Não estamos falando de fugir de sírios aqui… Estamos falando de europeus.”
  • No oitavo tweet, MacLeod diz: “Se você fala francês, experimente o buffet de que eles oferecem a você”.

Outros jornalistas e usuários das redes sociais também mostram o que vem sendo reiterado.

  • Repórter da NBC : “Estes não são da Síria, eles são da Ucrânia. Eles são cristãos. Eles são brancos. Eles se parecem muito conosco.”

De La Sexta : “Mais de 400 crianças ficaram nas fronteiras, não são crianças que estamos acostumados a ver na televisão, são crianças loiras de olhos azuis, isso é muito importante.”

Esses dois memes resumem muito bem o que está acontecendo no nível de cobertura da mídia ocidental.

Em um comunicado, a Associação de Jornalistas Árabes e do se refere a um “viés racial implícito em algumas das coberturas da Ucrânia”. A associação condenou e rejeitou categoricamente as “implicações orientalistas e racistas” para o Oriente Médio, e Ásia.

“Esse tipo de comentário reflete a mentalidade generalizada no jornalismo ocidental de normalizar a tragédia em partes do mundo como Oriente Médio, África, Sul da Ásia e América Latina. Desumaniza e torna sua experiência de guerra normal e esperada”.

_
Texto do Misión Verdad publicado originalmente aqui.
Tradução: Mídia1508

Mídia1508

A 1508 é um coletivo de jornalismo independente anticapitalista, dedicado a expor as injustiças sociais brasileiras e a noticiar as mobilizações populares no Brasil e no mundo.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Últimas Notícias