Crédito da imagem: The Guardian

Estupro, genocídio e encobrimento: como a Grã-Bretanha torturou e matou 300.000 quenianos

No Quênia, os britânicos despejavam pimenta nos órgãos genitais das mulheres, esmagavam os testículos dos homens, arrancavam e faziam comer seus próprios testículos, sodomizavam prisioneiros com garrafas e vassouras. Em 1960, 300.000 Kikuyu estavam desaparecidos ou mortos.

Por Tatenda Gwaambuka
Tradução: Mídia1508

Alguns britânicos são delirantes, outros são ignorantes, outros são ambos, mas alguns têm coragem de enfrentar a verdade. Qual é a verdade do império britânico no Quênia? A verdade é que o sangue Kikuyu está afundando na terra roubada do mesmo Kikuyu por homens brancos que jogam um elaborado jogo de descobridores-guardiões encomendado pela realeza britânica. As verdades que a moderna não tem coragem de aceitar são testículos esmagados e arrancados de homens Kikuyu, seios mutilados de mulheres, bem como orelhas e dedos cortados. Beneficiários do estão cegos por seu privilégio de arrancar os olhos Kikuyu pela maquinaria colonialista e estão muito ocupados no trem colonial que não percebem que no Quênia, homens foram arrastados por Landrovers até se desintegrarem em pedaços de comida necrófaga. Estas são as verdades que a Grã-Bretanha moderna se recusou a dizer até que foi forçada a fazê-lo e, mesmo quando o fez, muitas pessoas tentaram minimizar a crueldade da máquina imperialista britânica.

Em 2012, o Ministério das Relações Exteriores britânico foi humilhado por sua própria desonestidade, que durou décadas até então. Foi revelado que a destruiu sistematicamente evidências que teriam exposto o mal de sua máquina imperialista ao mundo. O jornal The Guardian relatou, “Aqueles papéis que sobreviveram ao expurgo foram levados discretamente para a Grã-Bretanha, onde foram escondidos por 50 anos em um arquivo secreto do Ministério das Relações Exteriores, fora do alcance de historiadores e membros do público, e em violação das obrigações legais de serem transferidos para o o domínio público”. Foi desonesto e lamentável, mas a verdade provou ser um segredo muito grande para ser escondido. Os jornais mostraram que os ministros em Londres sabiam que os Kikuyu estavam sendo torturados e mortos no e optaram por permanecer em silêncio. Eles também mostraram que Iain Macleod, secretário de estado para as colônias, ordenou que os governos pós-independência não recebessem nenhum material que “pudesse embaraçar o governo de Sua Majestade”. Tudo o que a queria fazer era salvar a face, mas o sangue dos Kikuyu contaria uma história diferente e escaparia do labirinto de mentiras e enganos britânicos. Um pedido de indenização apresentado em 2009 por cinco vítimas de tortura britânica (Caso Mutua) abalou a mesa e forçou o Ministério das Relações Exteriores a se envergonhar ao liberar documentos condenatórios. Anos depois, o governo britânico aceitou publicamente as irregularidades no Quênia.

A história da brutalidade britânica no deu uma guinada macabra em 20 de outubro de 1952, quando o estado de emergência foi declarado por Sir Evelyn Baring em resposta ao levante Mau Mau. De acordo com Benjamin Grob-Fotzgibbon em seu livro The Imperial End Game – Britain’s Dirty Wars, o termo Mau Mau é um sem significado na língua Kikuyu, mas pode ter sido uma distorção europeia da palavra Kikuyu “muma” sendo um juramento. Nos estágios iniciais, os Kikuyu enfrentaram 8.251 membros em tempo integral, 6.484 em tempo parcial e 1.645 em tempo integral da Reserva Policial do Quênia, 3.900 soldados do britânico e 368 policiais tribais. Dizem que esses números aumentaram muito com o tempo. O contingente não estava lá para jogos. David Anderson em seu relato – Histories of the Hanged in Kenya diz: “Durante toda a emergência no de 1952 a 1960, o número total de colonos que morreram foi de 32, houve menos de 200 soldados e policiais britânicos mortos e 1.800 ‘leais’ Africanos. Quanto aos Kikuyu, em um censo realizado no Quênia após a emergência, foi revelado que mais de 300.000 Kikuyu foram mortos ou estavam ‘desaparecidos’. O número oficial de Kikuyu que morreram nunca foi conhecido.” Elkins em Imperial Reckoning escreve que um sistema de mais de 100 campos de detenção chamado de “Pipeline” foi usado para manter Kikuyu suspeito de ter jurado contra o colonialismo. Oficiais brancos abusaram sexualmente de homens e detidos e Barbara Castle, escrevendo para o Tribune em 1955, disse: “No coração do Império Britânico, no Quênia, há um estado policial onde o estado de direito foi quebrado, onde o assassinato, estupro e a tortura de africanos por europeus fica impune e onde as autoridades são coniventes com a sua violação.”

Elkins diz que a pele de algumas vítimas foi queimada e elas foram forçadas a comer seus próprios testículos castrados. Um homem kikuyu em particular foi lentamente eletrocutado até a morte, seus testículos e orelhas já cortados enquanto um globo ocular estava pendurado para fora da órbita. Ela diz: “Os homens foram sodomizados por seus guardas, e garrafas, vassouras, animais e insetos foram forçados a entrar em seus retos. Eles foram presos ao chão ou amarrados a mesas enquanto seus pênis e testículos foram espancados e arrancados de seus corpos. Lutadores eram amarrados às costas de Land Rovers e conduzidos ao redor da vila para mortes lentas e dolorosas. Homens e eram obrigados a correr com baldes de banheiro na cabeça e às vezes eram obrigados a comer os excrementos nos baldes. Às vezes, os homens eram forçados para transportar os corpos em decomposição de insurgentes mortos, desenterrados pelos oficiais britânicos. Alguns foram balançados pelos cabelos, enquanto outros foram segurados pelo pescoço e suas cabeças batidas até ficarem inconscientes. Misturas de pimenta e água às vezes eram despejadas na vagina de mulheres que gemiam e vomitavam. Elkins usa a análise do censo para concluir que entre 130.000 e 300.000 kikuyus estavam desaparecidos até o final do estado de emergência.


Texto publicado originalmente aqui.

Crédito da imagem: The Guardian

Mídia1508

A 1508 é um coletivo de jornalismo independente anticapitalista, dedicado a expor as injustiças sociais brasileiras e a noticiar as mobilizações populares no Brasil e no mundo.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Últimas Notícias