Em 20 de janeiro de 2018, o Lixão da Estrutural, como era chamado o maior lixão da América Latina em atividade, foi desativado. Foram 60 anos de lixão a céu aberto — Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado
/

Morrer de fome: a crise global dos alimentos

“A fome é a metáfora mais brutal da desigualdade” e sua causa não é a pobreza, mas a riqueza de alguns, disse o jornalista Martín Caparrós, autor em 2014 de um monumental ensaio-crônica intitulado 'A fome'.

Atualmente, o mundo produz muito mais alimentos do que o necessário para abastecer toda a sua população. Na realidade, nunca houve tantos. E ainda assim a cresce e cresce. A como um todo é considerada um dos principais celeiro do mundo. Segundo dados da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), a região produz o suficiente para alimentar, bem, 1,3 bilhão de pessoas, mais que o dobro de seus habitantes e um sexto da população do planeta. “É uma região que tem um papel insubstituível na segurança alimentar global”, disse o escritório regional da FAO à alemã Deutsche Welle, mas também é, acrescentou, “a região mais cara para comer saudável” e uma das caracterizadas pelo acesso mais desigual à alimentação.

Hoje a está ameaçada pelo que é descrito na linguagem da ONU como uma crise alimentar, ou seja, uma situação em que as pessoas têm “dificuldades em consumir alimentos suficientes, seguros e nutritivos”. A atual seria inclusive uma das crises mais graves das últimas décadas para esta região: daquelas que eles chamam de agudas, como aguda seria a insuficiência alimentar que boa parte dos habitantes da região sofreria a curto prazo.

O esquema é reproduzido em maior ou menor grau em todas as áreas do chamado terceiro mundo. De acordo com o relatório anual de 2021 da Rede contra as Crises Alimentares, desde 2017 o número de pessoas em situação de “crise alimentar aguda” tem crescido cada vez mais: em 2019 eram 135 milhões e em 2020, 155 milhões, em 55 países e territórios. Em 2022, espera-se que sejam cerca de 200 milhões. Aqueles que pulam pelo menos uma refeição por dia, segundo a FAO, por sua vez somam cerca de 800 milhões, e 95 milhões deles estão na América Latina. Cerca de 9 milhões de pessoas (incluindo 5 milhões de crianças) morrem a cada ano no planeta devido a fatores ligados à fome, como desnutrição, má nutrição ou doenças perfeitamente curáveis. Maldita pandemia.

Conflitos e mudanças climáticas – devido aos eventos extremos cada vez mais comuns que acabam com as plantações – invariavelmente figuram nesses relatórios como a causa dessas crises. E nos últimos dois anos, Covid-19, ou melhor, as medidas tomadas – ou não tomadas – contra a Covid-19. Agora é a guerra na Ucrânia, que envolve dois dos maiores produtores mundiais de milho, trigo e fertilizantes, que domina a cena e é citada como o provável gatilho de um “furacão da fome”, nas palavras do secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres.

O aumento dos preços dos alimentos como resultado da guerra na Europa significaria que os países da África Subsaariana, que até 2017 gastavam 20 por cento de sua renda em alimentos, deveriam alocar 35 por cento em 2023, os do Sul da Ásia 20, quando gastaram 15, e os da 20, quando investiram 13.

Mas há outro fator estrutural, mais antigo, que raramente aparece – ou só aparece à margem – nos documentos da ONU: o modelo de produção. Quando se prioriza o agronegócio de grande escala para exportação, baseado em monoculturas e dependente de hidrocarbonetos, disse à Deutsche Welle Susanna Daag, integrante de uma rede de associações alemãs que atuam na América Latina, criam-se as condições para que, ao extremo, alguns comam até a saciedade e, no outro, muitos estão morrendo de fome.

É o que acontece na e em boa parte do sul global, e o que explica aparentes absurdos como o fato de que no país do milho – México – a exportação do cereal é priorizada sobre o consumo dos próprios habitantes, que tem que pagar por isso a preços exorbitantes, ou que no país da carne comendo um assado vai tirar os olhos da cara do filho do vizinho. O uruguaio paga caro pela carne se seu preço sobe no mercado mundial e continua pagando caro por ela quando seu preço cai. Os mesmos sempre perdem, os mesmos sempre ganham. E não haveria nada a fazer, porque “somos tomadores de preços” e o que se decide na bolsa de Chicago é a palavra de Deus.

A comida que a produz – e produz tudo – não serve principalmente para alimentar seus habitantes, mas sim para engordar aqueles que a exportam, muitas vezes transnacionais. Ao ponto de importar produtos impensáveis. Cerca de 30% dos alimentos que um país com vocação agrícola como a Colômbia consome vem do exterior: milho, trigo, açúcar, cevada, leite. O México importa milho, trigo e feijão, produtos básicos e ancestrais na dieta de seus habitantes.

A lógica dos governos mexicanos (dos liberais e dos que dizem que não são) comprar fora o que pode ser produzido dentro é que é mais conveniente. Mas é uma construção ideológica. “A falácia neoliberal de que é mais barato importar grãos do que produzi-los nacionalmente ameaça cobrar uma conta que pode ter um alto custo social e político”, escreve Alberto Vizcarra Osuna (Aristegui Noticias, 28-V-22). Quando um país sai, ainda que um pouco, da dobra estabelecida pela Organização Mundial do Comércio e protege seu mercado nacional – a Índia, por exemplo -, eles o cercam, aponta o alemão Daag: dizem que está “contradizendo o mantra do livre comércio”.

E esse é justamente o cerne do problema: em um sistema que expande a desigualdade ao infinito, destaca o jornalista Martín Caparrós, autor em 2014 de um monumental ensaio-crônica intitulado A . “A é a metáfora mais brutal da desigualdade” e sua causa não é a pobreza, mas a riqueza de alguns, disse o argentino. “O fato de 800 ou 900 milhões de pessoas passarem fome não é um erro do sistema, mas é a forma como o sistema está organizado. É típico de um sistema global em que a produção de alimentos não é direcionada para que todos comam, mas para que os mais ricos comam tudo o que precisam e muito mais, e desperdiçam e jogam fora. Enquanto a ordem econômica mundial continuar a favorecer esse tipo de produção, isso continuará acontecendo. E o problema não se resolve enviando de vez em quando alguns sacos de comida ou fazendo pequenos atos de caridade” (Universidad de Barcelona, ​​​​4-VI-15).

Em novembro passado, o diretor do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas, David Beasley, não conseguiu pensar em solução melhor para resolver a situação das 42 milhões de pessoas que nos meses seguintes tinham mais chances de morrer de inanição do que chamar os multimilionários para doar seus milhões. “Com 6 milhões de dólares está resolvido. Não é complicado”, disse ele, desafiando especificamente Elon Musk e Jeff Bezos. Musk aceitou o valor nominal, vendendo ações da Tesla por cerca de 5 bilhões de dólares e doou os lucros para “caridades”. Dizem que Beasley estava satisfeito. Amigos ideológicos de Musk riram: não é tirando dinheiro dos ricos que o planeta vai se desenvolver, mas sim dando mais liberdade aos ricos e liberalizando ainda mais a economia, escreveu a American Heritage Foundation (Panam Post, 16-II-22). O derramamento permitirá que os pobres comam, ele insistiu. Nem um mísero tijolo do sistema moveu o bom Beasley.


Por Daniel Gatti, texto publicado
aqui.
Tradução: Mídia1508

Foto de Capa: Em 20 de janeiro de 2018, em Brasília, o Lixão da Estrutural, como era chamado o maior lixão da em atividade, foi desativado. Foram 60 anos de lixão a céu aberto — Crédito: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Mídia1508

A 1508 é um coletivo de jornalismo independente anticapitalista, dedicado a expor as injustiças sociais brasileiras e a noticiar as mobilizações populares no Brasil e no mundo.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Últimas Notícias