Polícia de Israel prende manifestantes palestinos

Desde 13 de abril, a tensão na região se agravou como resultado da violência cometida contra a população árabe pela repressão israelense e colonos judeus na Jerusalém ocupada.

4 mins read
Forças israelenses prendem um palestino durante um protesto no bairro Sheikh Jarrah de Jerusalém Oriental em 15 de maio de 2021 — Foto: Mostafa Alkharouf/Agência Anadolu

As forças de israelenses lançaram, na madrugada desta segunda-feira (24), uma campanha de prisões contra palestinos, tendo como pano de fundo sua participação em manifestações e protestos contra a ofensiva sionista em Oriental e Gaza. Mais de 15 palestinos foram presos na operação, que incluiu as cidades como Nablus, Lod, Nazareth, Umm al-Fahm, Al-Tira e outras áreas, de acordo com a mídia local. Dentre os encarcerados, estão o secretário do movimento Fatah na Jerusalém ocupada, Shady Matwar, e o menino Tawfiq Muhammad Shafiq Hajeer (16 anos) da aldeia de Deir Ibzi, levados após invadirem suas casas.

Desde 13 de abril, a tensão na região se agravou como resultado da violência cometida contra a população árabe pela repressão israelense e colonos judeus na ocupada, especialmente na Mesquita de Al-Aqsa e seus arredores, e no bairro Sheikh Jarrah, onde tenta remover de suas casas 12 famílias palestinas.

Como resposta,  a resistência palestina começou a disparar foguetes de a cidades e assentamentos israelenses em um raio de 45 quilômetros da fronteira. A ação, porém, despertou a sede do premiê israelense Benjamin Netanyahu por vingança, após o constrangimento causado pela interrupção de uma sessão do Knesset (parlamento) e de um comício de colonos ilegais em Jerusalém.

Bombardeios aéreos contra o território palestino ocupado, além de disparos de tanques e navios de guerra, prosseguiram ao longo de dez dias, até a aprovação de um acordo cessar-fogo entre e o movimento palestino Hamas na última sexta-feira (21). Dentre os alvos, muitas propriedades residenciais, um de refugiados, uma escola, uma sociedade beneficente, locais de recreação, fábricas etc. Ao todo, estima-se em 244 o número de mortos (sendo 232 apenas do lado palestino, incluindo 65 crianças e 39 mulheres).

detém mais de 1.800 pessoas durante os ataques

As prisões acontecem depois de protestos massivos em várias cidades da Palestina, bem como confrontos entre cidadãos árabes e as forças de Israel, que deteve mais de 1.800 pessoas, segundo a organização de direitos civis local Al-Asir. De acordo com o acompanhamento, divulgado na última quarta-feira (19), o índice de encarceramento alcançado nas últimas semanas é o mais alto desde 2015, em termos de número de detentos e do período de tempo em que ocorreram.

O grupo aponta que as detenções não excluíram jornalistas, assim como uma grande quantidade de ativistas em e ex-prisioneiros políticos. Ainda segundo o Al-Asir,  as autoridades israelenses têm praticado diferentes formas de tortura nos centros de investigação e prisão, além de impedir detentos de se reunirem com advogados, dentre outras violações de direitos.

Mídia1508

Somos um coletivo de mídia independente anticapitalista. Nosso conteúdo é livre de influência de qualquer instituição política. Funcionamos sem qualquer tipo de propaganda. Nosso trabalho é feito por quem acredita que jornalismo não é publicidade e que portanto tem uma função social fundamental para conseguirmos transformar a nossa realidade.

Deixe seu comentário

Your email address will not be published.

Últimas Notícias