Após mais um adolescente assassinado pela PM no Rio, ônibus é incendiado em revolta

Jovem estava na porta de casa quando teria sido abordado e levado por policiais. O corpo do garoto só foi encontrado horas depois no Hospital Salgado Filho.

3 mins read
Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal

A família do adolescente Ray Pinto Faria, de 14 anos, acusa a Militar (PM) pela morte do menino. Segundo parentes do jovem, ele estava na porta de casa, jogando no celular, quando foi abordado e levado por policiais que faziam uma operação no Morro do Fubá, no Campinho, na Zona Norte do Rio.

Os familiares ficaram horas sem saber o paradeiro de Ray, e afirmam que só depois foram informados de que ele estaria no Hospital Municipal Salgado Filho, no Méier, onde foi encontrado morto com marcas de tiros.

A morte do menino gerou em amigos e familiares, que protestaram pedindo justiça e investigação sobre o assassinato do adolescente.

Em ato na tarde desta segunda-feira (22), um ônibus foi destruído.

Em novo à noite, outro ônibus foi incendiado na Estrada Intendente Magalhães, na altura da Rua Cândido Benício, em Campinho.

“Na UPA de Campinho, um maqueiro que nos informou que três pessoas feridas de um confronto policial deram entrada no Salgado Filho. Quando eu fui reconhecer o corpo, vi que ele estava com dois tiros, um no abdômen e outro na coxa”, contou um primo de Ray.

“Por volta das 5h40 da manhã, ele estava jogando na porta de casa no telefone dele. Não tinha nada demais. O Ray não estava armado, não tinha rádio, não tava nada. Ele estava apenas sentado pegando o wi-fi”, disse o primo que contou ainda que questionou os policiais presentes na favela, que negaram ter levado alguém com as características do menino.

O tio de Ray denunciou que os policiais não deram assistência ao adolescente. Ele nega que tenha havido troca de tiros no momento.

“Os policiais não deram nenhuma assistência. Levaram ele pra outra comunidade, junto com dois corpos que já estavam lá e levaram pro Salgado Filho. Sequer teve amor pela vida de outra pessoa. Ele era menor de idade. Entram na nossa comunidade, fazem arruaça como sempre fizeram, entra na casa de moradores. Aí, dessa vez, vieram e mataram meu sobrinho”, critica o parente em entrevista à ONG Rio de Paz.

Moradores também acusam policiais de terem retirado câmeras de segurança de uma padaria, que teriam filmado à abordagem aos manifestantes.

Ray Pinto Faria, 14 anos / Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal

Mídia1508

Somos um coletivo de mídia independente anticapitalista. Nosso conteúdo é livre de influência de qualquer instituição política. Funcionamos sem qualquer tipo de propaganda. Nosso trabalho é feito por quem acredita que jornalismo não é publicidade e que portanto tem uma função social fundamental para conseguirmos transformar a nossa realidade.

1 Comment

Deixe seu comentário

Your email address will not be published.

Últimas Notícias