/

Entidades de direitos humanos chamam de “encenado” julgamento que levou à prisão de grupo antifascista na Rússia

Grupos influentes de direitos humanos chamaram o caso de encenado e alegaram que os jovens foram alvo de seu ativismo político. Quatro dos que estão em julgamento disseram que foram torturados com espancamentos e eletrocussão durante a investigação.

Foto: Reprodução

Um tribunal russo emitiu sentenças duras a sete ativistas e anarquistas em um controverso caso de doméstico marcado por alegações de que investigadores torturaram os réus para obter confissões.

O tribunal de Penza, uma cidade a cerca de 630 quilômetros a sudeste de Moscou, condenou os jovens a penas de seis a 18 anos de prisão por supostamente formar uma organização chamada Set, que se traduz como Rede, que os promotores disseram planejar futuros ataques dentro da  para derrubar o governo. Os rapazes também foram denunciados em uma variedade de acusações de armas e drogas.

Grupos influentes de chamaram o caso de encenado e alegaram que os jovens podem ter sido alvos de seu ativismo político. Quatro dos jovens em julgamento disseram que foram torturados com espancamentos e eletrocussão durante a investigação. Em dezembro, o centro de direitos humanos Memorial, uma das mais antigas organizações de direitos civis da Rússia, pediu que as acusações fossem retiradas.

“É óbvio que a acusação de ativistas em Penza, parte da em curso contra anarquistas e que aumentou acentuadamente em 2017-2018, é politicamente motivada”, escreveu a organização.

Na segunda-feira (14/02), apoiadores dos homens gritaram “vergonha” no tribunal de Penza, onde as sentenças foram proferidas.

Oleg Orlov, do Memorial, disse: “É um veredicto monstruosamente severo, mas não esperávamos mais nada”.

A promotoria acusou os jovens de supostamente planejarem os ataques, mas deu poucos detalhes concretos sobre quando ou onde eles ocorreriam. Os investigadores inicialmente alegaram que os homens planejavam atacar a Copa do Mundo de 2018 ou a eleição presidencial, mas essas alegações não foram refletidas no caso criminal final.

Os acusados jogavam airsoft juntos, uma atividade que os promotores disseram ser um treinamento para ataques. Em 2019, a Rede foi nomeada uma organização extremista, ao lado de grupos como o Estado Islâmico.

“Mesmo que esses caras realmente tenham planejado uma futura… o crime começa quando as pessoas fazem um plano específico, e elas não foram acusadas de fazer nenhum plano específico”, disse Alexander Verkhovsky, diretor do centro Sova de Moscou, que monitora o extremismo e contramedidas do governo na Rússia.

Quatro dos réus alegaram ter sido torturados durante a investigação e acusaram membros do Serviço de Segurança Federal (FSB) de recorrer a espancamentos e ao uso de eletrocussão para extrair confissões.

Dmitry Pchelintsev, 27 anos, ativista antifascista de Penza, foi condenado a 18 anos de prisão por supostamente criar a Rede. Ele e seus corréus negaram a existência do grupo.

No depoimento de seu advogado, Pchelintsev disse que admitiu planejar ataques terroristas depois de ser detido e torturado com eletricidade por agentes de segurança. Ele descreveu ranger os dentes de dor e sua boca estar “cheia de sangue”.

“Eles começaram a tirar minha calcinha, eu estava deitada de bruços, tentaram conectar os cabos aos meus órgãos genitais”, disse ele em declarações publicadas pela MediaZona. “Comecei a gritar e implorar para que parassem de me torturar. Eles começaram a dizer: ‘Você é o líder’. Para parar a tortura, eu disse: ‘Eu sou o líder’.”

Dmitry Pchelintsev — Foto: Arquivo pessoal

_
Fontes: aqui, aqui e aqui.
Tradução: Mída1508

Mídia1508

A 1508 é um coletivo de jornalismo independente anticapitalista, dedicado a expor as injustiças sociais brasileiras e a noticiar as mobilizações populares no Brasil e no mundo.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Últimas Notícias

1 ano sem Moïse

A mãe de Moïse esteve pela primeira vez no quiosque onde seu filho foi assassinado. Revoltado,…