Espanha em chamas após protestos contra a prisão de rapper comunista

Protestos enfurecidos contra a prisão do rapper Pablo Hasél levanta debate no país sobre liberdade de expressão.

6 mins read
Espanha em chamas contra prisão do rapper Hasél / Foto: redfishstream (Twitter)

A prisão do catalão Pablo Rivadulla, rapper conhecido como Pablo Hasél, que se declara comunista, gerou protestos enfurecidos e confrontos com a polícia em várias cidades espanholas na noite de terça-feira (16), incluindo Lleida, Barcelona, ​​Girona e Valência. Latas de lixo e motocicletas foram incendiadas e inúmeras barricadas erguidas durante as mobilizações.

Uma jovem foi gravemente ferida em Barcelona, perdeu o olho depois que policiais dispararam contra a manifestação – o que gerou ainda mais .

A polícia entrou em uma universidade na cidade de Lleida, no nordeste da , para prender o rapper que se refugiou dentro do prédio para evitar cumprir pena de prisão por cantar músicas que insultam a realeza e a polícia em suas letras e nas redes sociais.

Em 2018, Hasél foi condenado a dois anos de prisão e multa de quase 30.000 euros depois que o mais alto tribunal criminal da Espanha decidiu que suas letras e comentários estavam além dos limites da liberdade de expressão e eram, em vez disso, expressões de “ódio e ataques a honra”.

O tribunal observou que Hasél havia se referido ao ex-rei espanhol Juan Carlos como um “tirano bêbado” e um “chefe da máfia”, elogiou o Eta e outros grupos revolucionários, chamou a polícia nacional de “assassinos” e acusou a Guardia Civil de torturar e assassinar migrantes.

Pablo Hasél foi retirado da Universidade de Lleida na manhã de terça-feira (16) / Foto: Reuters

A sentença foi reduzida em recurso para nove meses, e Hasél foi condenado a se apresentar na prisão no final de janeiro. Mas na segunda-feira, o rapper se refugiou na universidade, dizendo que queria “dificultar ao máximo as coisas para a polícia” e destacar “um ataque gravíssimo” à liberdade.

Agentes da força policial da Catalunha entraram no prédio da universidade e prenderam o rapper depois de retirar as barricadas armadas por dezenas de pessoas que o apoiam.

“Viva a luta!” Hasél disse enquanto era escoltado da universidade. “Nós nunca iremos parar! Eles nunca vão nos bater, mesmo com toda sua repressão!”

Seu caso alimentou o debate sobre a liberdade de expressão na Espanha e a chamada “lei da mordaça” do país. Na semana passada, mais de 200 figuras proeminentes da cultura espanhola, incluindo Javier Bardem e Pedro Almodóvar, assinaram uma carta aberta expressando sua solidariedade a Hasél e pedindo uma mudança na lei. “A perseguição de rappers, tweeters, jornalistas e outros representantes da cultura e da arte por tentarem exercer sua liberdade de expressão se tornou incessante”, escreveram.

Há três anos, a Anistia Internacional denunciou a “lei da mordaça”, assim chamada pelos movimentos sociais, e afirmou que a lei que proíbe a “glorificação do terrorismo” criou um ambiente arrepiante no qual as pessoas têm medo de expressar opiniões radicais ou mesmo usar o humor como ferramenta de crítica social. Na prática, a lei acaba reduzindo todas essas manifestações – legítimas – a “atos de de terrorismo”.

Outro rapper espanhol, conhecido como Valtònyc, fugiu para a Bélgica em 2018 para evitar uma pena de prisão de três anos e meio depois de ser considerado culpado de distribuir músicas online que ameaçavam um político, glorificava a luta radical e insultava a coroa. A letra pela qual Valtònyc foi condenado inclui “que tenham tanto medo quanto um policial no País Basco” e “o rei tem um encontro na ‘Praça da Aldeia’, com um laço no pescoço”.

A prisão de Hasél se seguiu à crescente revolta e repulsa por um vídeo que mostrava uma jovem fazendo um discurso antissemita durante uma manifestação neofascista realizada em Madri no fim de semana passado para homenagear a Divisão Azul – as dezenas de milhares de voluntários espanhóis que lutaram por Hitler na Rússia em os primeiros anos da ditadura de Franco.

Na filmagem, obtida pelo jornal online La Marea, a mulher afirma falsamente que o foi inventado por judeus para colocar os trabalhadores uns contra os outros, acrescentando: “Nossa maior obrigação é lutar pela Espanha, lutar pela Europa, que agora está fraca e foi eliminado pelo inimigo. O inimigo é sempre o mesmo, mesmo que use máscaras diferentes: o judeu.”

Ao que parece, uma manifestação fascista não incomoda a realeza.

Pablo Hasél / Foto: Reprodução/Twitter

Mídia1508

Somos um coletivo de mídia independente anticapitalista. Nosso conteúdo é livre de influência de qualquer instituição política. Funcionamos sem qualquer tipo de propaganda. Nosso trabalho é feito por quem acredita que jornalismo não é publicidade e que portanto tem uma função social fundamental para conseguirmos transformar a nossa realidade.

Deixe seu comentário

Your email address will not be published.

Últimas Notícias