Sérvia: fim do isolamento pelo governo gera novo surto de coronavírus e revolta população

Insatisfação com a forma como o governo enfrenta o coronavírus e preocupação com a deterioração da democracia na Sérvia levam milhares às ruas de Belgrado. Manifestações terminam em fortes confrontos com a polícia.

6 mins read
Foto: Andrej Isakovic / Agence France-Presse

Milhares de pessoas saíram às ruas de Belgrado, na Sérvia, no dia 08 de julho e entraram em confronto com a polícia, em meio a uma insatisfação crescente com a forma como o governo está enfrentando a pandemia – e uma preocupação com a no país. Os protestos, que começaram em Belgrado, se espalharam para várias outras cidades.

O estopim foi a nova imposição pelo presidente Aleksandar Vucic de um confinamento obrigatório de três dias aos moradores da capital sérvia, após um novo surto de coronavírus. Os manifestantes dizem que a quarentena não é o problema, mas os erros do governo que acabaram levando a ela.

Os protestos em Belgrado são a primeira grande manifestação de indignação popular relacionada à na Europa desde o início da crise.

A população foi recebida com violência pela polícia. Em resposta, os manifestantes, que desafiam a proibição do governo para reuniões de mais de 10 pessoas, jogaram garrafas, pedras e morteiros na que guardava o prédio do parlamento, que respondeu com gás lacrimogêneo para tentar dispersar a multidão enfurecida.

“Queremos que as autoridades parem de mentir para nós e queremos saber toda a verdade sobre tudo o que está acontecendo em relação com a de coronavírus”, disse uma manifestante.

As autoridades impuseram medidas rigorosas de bloqueio nos estágios iniciais do surto, mas depois suspenderam todas as restrições, pois o país estava se aproximando de uma eleição parlamentar. Muitos denunciam que o governo estava minimizando o surto para permitir que as eleições prosseguissem.

Foto: Andrej Isakovic / AFP

Críticos dizem que as decisões do governo de permitir que partidas de futebol, festas religiosas, partidos e reuniões privadas fossem retomadas em maio e as eleições parlamentares a serem realizadas em junho são responsáveis ​​pelo aumento das infecções.

O presidente Vucic insistiu em realizar a votação no mês de junho, na qual seu grupo político obteve ampla vitória. A população também acusa o governo de fraudar os dados oficiais e minimizar o risco para realizar a eleição.

“Não nos importamos em ficar em casa por mais três dias – esse não foi o problema”, disse Dragana Grncarski, 45, trabalhadora que protestou em dois dias da semana passada. “No entanto, eles estão brincando com nossas mentes e com a verdade”, acrescentou Grncarski. “Quando lhes convém fazer eleições, não há coronavírus. Eles organizaram partidas de e tênis, e por isso temos uma situação em que os hospitais estão cheios.”

Nos dias que se seguiram à eleição, Vucic soou o alarme para o crescimento das infecções e culpou a falta de disciplina dos cidadãos pela propagação da doença. Na terça-feira, 7 de julho, o presidente anunciou que o país reinstituiria medidas de bloqueio e quarentena obrigatória. Depois, ele voltou atrás, mas as manifestações não cessaram.

Embora o movimento não tenha uma liderança clara, alguns dos pedidos apresentados pelos manifestantes incluem a substituição dos membros do conselho de emergência do coronavírus.

As manifestações rapidamente se transformaram em uma expressão mais ampla de frustração com o governo. Depois de inicialmente impor um dos bloqueios mais rigorosos da Europa, Vucic suspendeu as restrições sociais, alegando que seu governo havia derrotado o coronavírus. Mas enquanto outros países europeus aliviaram seus bloqueios gradualmente, o presidente optou por um processo mais rápido, permitindo que os sérvios se reunissem em dezenas de milhares sem distanciamento social.

A Sérvia tem no momento 19 mil infecções e 429 mortes por em uma população de sete milhões de habitantes.  As infecções diárias dispararam nas últimas semanas, sobrecarregando os hospitais.

Milhares de pessoas se reuniram em frente ao prédio do parlamento sérvio em Belgrado no sábado, dia 11 de julho, para uma quinta noite consecutiva de protestos contra as políticas do governo, incluindo o descaso para conter o novo surto de coronavírus.

Rafael Daguerre

Fotojornalista/Videorrepórter

Um dos fundadores da Mídia1508. "Ficar de joelhos não é racional. É renunciar a ser livre. Mesmo os escravos por vocação devem ser obrigados a ser livres, quando as algemas forem quebradas" ― Carlos Marighella.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Últimas Notícias