Indígena com Covid-19 sofre aborto e hospital entrega feto em garrafa de soro

Foto: Reprodução

Jacieli Pego Ramos Balonese, uma mulher indígena de 31 anos, sofreu um aborto espontâneo e recebeu do hospital uma garrafa plástica com o feto. Da etnia Tupinikim, moradora da aldeia Caieiras Velhas, em Aracruz, na região norte do Espírito Santo, ela foi diagnosticada com dias antes de perder o bebê. O caso aconteceu no Hospital São Camilo, também em Aracruz.

O marido dela, David, gravou um vídeo que circula nas redes sociais e mostra o desespero e tristeza da esposa, que segura o recipiente com o feto dentro da casa em que o casal mora com os outros três filhos.

Na gravação, eles afirmam não saber o que fazer com o material. “Não sabemos se pode enterrar”, diz David.

“Eu fui violada. Até ontem (domingo) à noite, quando gravamos aquele vídeo, eu não conseguia falar nada, eu só conseguia ficar com o feto na mão. A fita transparente já ficou branca, o feto já está preto. Não me deram orientação nenhuma”, relatou Jacieli.

Jacieli contou que sofreu o aborto em casa e foi levada por uma ambulância ao hospital. Segundo a mulher, o feto ficou com ela no quarto, enquanto esperava pelo procedimento de curetagem, que deve ser feito em que sofrem abortos espontâneos.

Jacieli conta que descobriu a gravidez no dia 19 de junho, fazendo um teste de farmácia. Dois dias depois, teve o primeiro sangramento.

Ela foi até o Hospital São Camilo, mas disse que não foi atendida porque o exame feito na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do município não foi aceito pelo médico como comprovante da gravidez. “Ele disse que aquilo não comprovava que eu estava gestante”, disse.

Mesmo com uma tosse muito forte, Jacieli voltou para casa. Ela ficou mais quatro dias em casa, sentindo dores, até ser novamente atendida na UPA. Nesta vez, a indígena foi encaminhada novamente ao Hospital São Camilo e atendida.

“Me passaram direto para o obstetra. Ainda estava sangrando, mas com muita dor de cabeça, dor nas juntas. Fui atendida, e o obstetra me encaminhou para a clínica geral. Ela fez todos os exames, que estavam todos certos, e perguntou se eu aceitava fazer o exame para Covid. Por ser somente uma suspeita, voltei para casa”, detalhou.

No dia seguinte, ela voltou ao hospital e teve a notícia de que o sangramento havia surgido por conta de um descolamento de placenta.

“Mas não era para eu me preocupar, era para eu me cuidar, porque estava tudo bem com o bebê. Ele tinha batimentos cardíacos, estava com o crescimento de acordo com a idade gestacional”, lembrou.

e Aborto

O exame para a foi colhido no dia 25 de junho, o resultado saiu no dia 29 e foi positivo. Jacieli foi comunicada por telefone do resultado.

Três dias depois, ela teve um novo sangramento, este mais forte e intenso. Ela retornou ao hospital e fez os exames, que atestaram que estava tudo bem com o bebê, apesar do diagnóstico de Covid-19.

Na última sexta-feira (3), Jacieli acordou sentindo dor e contrações. “Eu me contorcia de dor. Parecia que eu estava parindo um filho”, descreveu.

“Por volta das 15h40, senti uma cólica forte. Senti estourar, e fiquei toda molhada. Quando aconteceu isso, fui para o banheiro e vi o feto. Comecei a chorar, entrei em desespero”, lembrou.

Jacieli foi levada ao hospital por uma ambulância, junto com o feto que havia expelido minutos antes, para fazer a curetagem. Ela ficou isolada, e por volta das 18h30 foi encaminhada ao centro cirúrgico.

No entanto, chegando ao centro cirúrgico, já havia outra pessoa sendo atendida e Jacieli foi novamente levada para o quarto.

“Depois de um tempo, depois da troca de plantão, não sei quanto tempo foi, fui para o centro cirúrgico. Mas ninguém trouxe cadeira de rodas. Eu já estava muito fraca, cansada. Fui para o centro cirúrgico andando e a técnica de enfermagem não me ajudou a andar, ela foi andando na frente. Se fosse para morrer de uma hemorragia, eu tinha morrido”, disse.

Pote de plástico

Ela lembra que saiu da cirurgia de curetagem por volta das 21h30. Mais de duas horas depois, o feto ainda estava no quarto dela, da forma como tinha sido levado de casa até o hospital.

Foi neste momento que uma profissional entrou com um recipiente de plástico no quarto dela, e armazenou o feto nele.

“Por volta das 23h, uma técnica de enfermagem pegou um vidro de soro fisiológico, passaram um esparadrapo no bico, colocaram formol que eu vi que era formol porque estava escrito na embalagem. Ela colocou a placenta, o feto, envolveu aquela fita de papelaria em volta do corte do pote. Ela me chamou e perguntou que horas eu sofri o aborto e disse ‘meu Deus, agora que me pedem para fazer isso?'”, relembrou.

No outro dia, sábado (4), Jacieli recebeu alta. Mas, antes, ela questionou a uma técnica de enfermagem o que deveria fazer com o feto.

“E o feto, o que eu faço? Ela respondeu ‘a única coisa que a gente pode fazer é te dar uma sacolinha pra senhora levar consigo’. Eu nunca tinha passado por essa situação. Eu estava nervosa, não é fácil o que eu estou vivendo. Depois disso, outra técnica me deu o papel para assinar. Perguntei de novo sobre o feto. Ela disse ‘a gente não tem sacola aqui’. Eu perguntei o que eu faria, ela disse que eu tinha que decidir o que fazer. Tentei colocar esse pote dentro da minha bolsinha de roupa, derramou formol dentro. Eu estava desnorteada, sofrendo por causa dessa situação”, relembrou.

Desespero

Depois de ter perdido o bebê estando com o diagnóstico comprovado de Covid-19, Jacieli ficou até o outro dia com o feto em casa, dentro do mesmo recipiente de plástico, fechado com fitas adesivas.

“Ficava com o pote nos braços, chorando muito. Meu marido, desesperado. A gente nunca passou por isso, achávamos que continuava sendo protocolo”, disse.

No domingo (5), Jacieli entrou em contato com a enfermeira da unidade de que atende às aldeias indígenas de Aracruz, que a informou que se ela quisesse levar o feto por questões culturais, teria que assinar um termo liberando essa saída. “Eu não assinei nada disso”, contou.

Diante do desespero da esposa, que contou que estava tentando até comprar um pote de vidro para ficar com o embrião em casa, o marido decidiu ligar para o hospital, que foi recolher o feto no domingo.

Ela foi orientada pelos profissionais que buscaram o embrião de que aquele procedimento não poderia ter acontecido.

“Eles me explicaram que o procedimento não era esse. Disseram que iam levar para a Casa Rosa, para onde também levam membros amputados, e que o resultado da biópsia seria encaminhado para nós”.

Discriminação

Depois de passar por essa situação, Jacieli acredita que sofreu discriminação por ser uma mulher indígena.

“Eu sou uma índia Tupinikim. Não sabemos porque aconteceu o aborto, e queremos saber. Nós somos discriminados, sim, por ser indígenas. Eu me senti isolada dos meus direitos por ser mulher, indígena e ainda senti o preconceito por estar com a Covid. Me senti isolada dos meus direitos”.

Pelo menos 445 indígenas já foram mortos pela de no Brasil. O Comitê pela Vida e Memória Índígena, formado por diversas associações dos povos originários, contabiliza 12.048 infectados de 122 etnias diferentes.

Mídia1508

A 1508 é um coletivo de jornalismo independente anticapitalista, dedicado a expor as injustiças sociais brasileiras e a noticiar as mobilizações populares no Brasil e no mundo.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Últimas Notícias