Por que os palestinos não merecem apoio para sua autodefesa?

O problema é que o mundo inteiro, que sempre dorme quando as forças de ocupação israelenses atacam as cidades, vilarejos e campos de refugiados palestinos, levantou-se imediatamente após a resistência palestina atacar os assentamentos judeus israelenses ilegais e declarou seu apoio à ocupação israelense e condenou as ações palestinas.

Palestinos comemoram enquanto um veículo militar israelense pega fogo após ser atingido por homens armados palestinos que se infiltraram em áreas do sul de Israel (território palestino invadido por Israel), no lado israelense da fronteira Israel-Gaza, 7 de outubro de 2023 — Yasser Qudih/Reuters

Por Motasem A Dalloul.

As forças de ocupação israelenses invadem cidades, vilarejos e campos de refugiados palestinos na Cisjordânia ocupada quase todos os dias. Eles invadem casas palestinas, prendem quem querem e, na maioria das vezes, matam palestinos, inclusive mulheres, crianças e idosos.

Enquanto o mundo inteiro assiste, as autoridades de ocupação israelenses alegam que têm como alvo pessoas procuradas e demolem casas de terroristas. Em seguida, todas as grandes potências do Ocidente e os membros da comunidade internacional os apoiam e seu “direito de se defender”.

Na manhã de sábado (7), as Brigadas Al Qassam, a ala militar do Movimento de Resistência Islâmica Palestina Hamas, lançaram um ataque semelhante, mas contra assentamentos judeus israelenses para deter as forças de ocupação israelenses terroristas e as autoridades extremistas.

Isso aconteceu depois de 17 anos de cerco contínuo e paralisante, que paralisou quase todos os aspectos da vida no enclave costeiro. O Hamas, que venceu uma das eleições mais transparentes da história e governa desde meados de 2007, usou todos os meios para acabar com o cerco israelense. Ele apelou à comunidade internacional, à ONU e a todas as grandes potências para pressionar a fim de acabar com o cerco, mas nada aconteceu.

Além disso, o Hamas tem alertado Israel para que pare com suas violações contra os palestinos nos territórios ocupados, contra os fiéis palestinos na Mesquita de Al Aqsa e pare com a profanação de locais sagrados islâmicos e cristãos em Jerusalém, mas nada aconteceu. O Hamas também fez um apelo à comunidade internacional para forçar Israel a interromper suas violações, mas todos os seus apelos e chamadas acabaram em ouvidos surdos.

O problema é que o mundo inteiro, que sempre dorme quando as forças de ocupação israelenses atacam as cidades, vilarejos e campos de refugiados palestinos, levantou-se imediatamente após a resistência palestina atacar os assentamentos judeus israelenses ilegais e declarou seu apoio à ocupação israelense e condenou as ações palestinas.

Minutos após o início do incidente, Stephanie Hallett, encarregada de negócios da Embaixada dos EUA em Jerusalém, escreveu no X: “Enojada com as imagens que chegam do sul de Israel de civis mortos e feridos nas mãos de terroristas de Gaza. Os Estados Unidos estão ao lado de Israel”. Ela chamou os colonos e soldados, que são acusados por grupos de direitos humanos israelenses e internacionais de serem criminosos de guerra.

O secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, disse que o Pentágono trabalhará nos próximos dias “para garantir que Israel tenha o que precisa para se defender e proteger os civis da violência indiscriminada e do terrorismo”. Ele acrescentou: “Nosso compromisso com o direito de Israel de se defender permanece inabalável, e eu estendo minhas condolências às famílias daqueles que perderam suas vidas nesse ataque abominável contra civis”.

O Ministro das Relações Exteriores da Grã-Bretanha, James Cleverly, escreveu no X: “A Grã-Bretanha condena inequivocamente os horríveis ataques do Hamas contra civis israelenses. O Reino Unido sempre apoiará o direito de Israel de se defender”. No entanto, ele permanece em silêncio quando se trata da agressão israelense aos palestinos.

A chefe da UE, Ursula von der Leyen, disse que condenou “inequivocamente” o “ataque terrorista do Hamas contra Israel”, acrescentando que foi “ em sua forma mais desprezível… Israel tem o direito de se defender contra esse ataque odioso”. Ela chamou a resistência palestina legítima garantida pelas leis internacionais de “terrorismo”, enquanto a agressão e as violações israelenses são uma forma de autodefesa.

O chefe de política externa da UE, Josep Borrell, fez a mesma coisa: “Essa violência horrível deve parar imediatamente. O e a violência não resolvem nada. A UE expressa sua solidariedade a Israel nesses momentos difíceis”.

Borrell pediu a libertação imediata dos prisioneiros israelenses. “As notícias de civis tomados como reféns em suas casas ou em são terríveis”, escreveu Borrell no X. “Isso é contra o direito internacional”, acrescentou, mas esqueceu-se de pedir à ocupação israelense que pelo menos libertasse os prisioneiros palestinos doentes e esqueceu-se de dizer que impedir o tratamento adequado para eles é “terrível” e contra o direito internacional.

Já o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, condenou a resistência palestina como “ataques indiscriminados lançados contra Israel e seu povo nesta manhã, infligindo terror e violência contra cidadãos inocentes”. Ela chamou os soldados colonos de “inocentes”, enquanto os cerca de 200 palestinos mortos em ataques israelenses em não mexeram com seus sentimentos.

O chanceler alemão Olaf Scholz expressou solidariedade a Israel após o ataque da resistência palestina, dizendo: “Chegaram hoje notícias aterrorizantes de Israel. Estamos profundamente chocados com os disparos de foguetes de e com a escalada da violência. A Alemanha condena esses ataques do Hamas e está ao lado de Israel”. Será que ele não fica chocado quando vê os ataques israelenses contra os palestinos?

O presidente francês Emmanuel Macron escreveu no X: “Condeno os ataques realizados a partir de contra Israel, seus soldados e seu povo. A França é solidária com Israel e com os israelenses, comprometida com sua segurança e seu direito de se defender.” Por que Macron não pediu a Israel que voltasse pelo menos para trás da verdadeira Linha Verde?

Talvez ele não saiba que Israel roubou cerca de metade da área da Faixa de no início da década de 1950 em coordenação com o Egito. Se ele não sabe disso, não deveria falar sobre questões internacionais até que obtenha o conhecimento necessário para um presidente de um grande país. No entanto, ele não falou para acabar com o conflito, mas declarou apoio à máquina de criminosa de Israel.

Quando a comunidade internacional e essas potências, que se colocaram como policiais do mundo, acordarão e serão capazes de saber a diferença entre a vítima e o vitimizador? Quando os líderes mundiais começarão a lidar com diferentes partes com base nas regras do direito internacional, e não nas regras baseadas em seus próprios preconceitos e interesses?


Fonte: MEMO

Mídia1508

A 1508 é um coletivo de jornalismo independente anticapitalista, dedicado a expor as injustiças sociais brasileiras e a noticiar as mobilizações populares no Brasil e no mundo.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Últimas Notícias