Newroz Ahmed, comandante feminina das Forças Democráticas da Síria — Foto: Reprodução/RIC

Newroz Ahmed, Comandante das Forças Democráticas da Síria: “O SDF está pronto para possíveis ataques”

Ataques turcos em nossas regiões estão em andamento; eles não são nada novos. Não se trata apenas de uma guerra na mídia. O governo turco está perdendo popularidade, dentro e fora. Suas relações com as milícias mercenárias do chamado Exército Nacional Sírio e a presença turca em outros países afetam sua credibilidade. Erdogan também enfrenta forte oposição interna.

Reportagem de Rojava Information Center
Tradução: Mídia1508
_

Ao longo do outono de 2021, a Turquia ameaçou uma nova invasão no norte e no leste da Síria. Em meados de novembro, as ameaças diminuíram e ficou claro que essa invasão não ocorreria na ausência de sinais verdes dos e da Rússia – que não aconteceram. No entanto, ataques mortais em menor escala contra civis pela Turquia e milícias apoiadas pela Turquia ainda são uma ocorrência quase diária no norte e no leste da Síria.

O Centro de Informações de Rojava (RIC) conversou com Newroz Ahmed, a comandante feminina das Forças Democráticas da Síria (SDF), para falar sobre a agressão turca, bem como as relações da com outros atores na região.

O que você acha da campanha na mídia turca e das últimas ameaças? Qual é a posição das Forças Democráticas da Síria (SDF)?

Ataques turcos em nossas regiões estão em andamento; eles não são nada novos. Não se trata apenas de uma na mídia. O governo turco está perdendo popularidade, dentro e fora. Suas relações com as milícias mercenárias do chamado Nacional Sírio e a presença turca em outros países afetam sua credibilidade. Erdogan também enfrenta forte oposição interna. Portanto, a estratégia é fazer parecer que existe uma ameaça para a nação turca. Eles até prorrogaram a autorização para lançar operações militares em solo iraquiano e sírio com o pretexto de travar uma guerra contra o terrorismo. Com este pretexto, há uma campanha militar no sul [iraquiano] do Curdistão. [O mesmo é verdade] no norte e no leste da Síria, onde os ataques de drones aumentaram recentemente; o último ataque de de drone em Qamishlo em 09 de novembro matou civis. Também houve ataques semelhantes em Kobane e Til Temir; eles acontecem diariamente. Além disso, as ameaças turcas de invasão são uma arma de guerra sistemática – faz com que as pessoas temam por sua segurança e isso acarreta deslocamento e mudanças demográficas.   

O objetivo da turca é prejudicar a Administração Autônoma e seu projeto político. Ameaças contra lugares como Tel Rifaat fazem parte dessa estratégia. Tel Rifaat é um exemplo de cidade com população diversificada que acredita e pratica a convivência entre diferentes povos. Representa a construção da nação democrática. Destruir lugares como Tel Rifaat e o exemplo que deram é uma parte crucial dos planos do Estado turco.

Os ataques que serão lançados não assumirão a forma de uma regular com linhas de frente claras; eles se espalharão por toda a região. O está pronto para possíveis ataques. Nesse sentido, o apoio do povo é muito importante para nós. Quando as pessoas se organizam para mostrar apoio às forças de autodefesa, isso é uma fonte de energia. Porque as pessoas acreditam em nós e isso aumenta a nossa responsabilidade para com elas e para com a terra.

O que você acha da campanha na mídia turca e das últimas ameaças? Qual é a posição das Forças Democráticas da Síria (SDF)?

A luta contra o ISIS é uma prioridade para nós. O ISIS não chegou ao fim na batalha de Baghouz [a batalha final da SDF para libertar o território do ISIS em 2019]. Ganhou força com a invasão de Serê Kaniye e Tel Abyad. Ele se renovou; recrutou mais e mais.

Os combatentes do ISIS que lutaram até o fim em Baghouz foram levados para a prisão de Ghouran, uma das mais perigosas da região. Recentemente, o ISIS tentou lançar um ataque contra ele, mas nossas Asayish [forças de segurança] o frustraram. É uma ameaça crítica, pois eles estão se reorganizando dentro das prisões, no campo de al-Hol, bem como em algumas outras áreas, como Deir ez-Zor. Eles realizam grandes operações, como assassinatos e bombardeios seletivos. Recentemente, eles atacaram quatro aldeias simultaneamente. Essa foi a maior operação desde Baghouz em 2019. Antes, o ISIS estava lançando ataques por meio de células menores, mas agora essa tendência está mudando. Os ataques envolvem células maiores. Portanto, existe a possibilidade de que os próximos ataques sejam realizados em uma escala maior.

Eles também lançam operações no Iraque e em áreas ocupadas do norte da Síria. Eles têm campos de treinamento e depósitos de armas, porque é um lugar seguro para eles. Eles até lançam alguns ataques nas áreas do governo sírio.

O ISIS não é formado apenas por cidadãos sírios, mas também por outros como iraquianos e europeus, e sabemos que eles estão dispostos a realizar outras grandes operações em outras áreas do e na Europa. A ameaça que representam não afeta apenas a nós, mas também ao mundo inteiro. Se a Turquia atacar, isso afetará a estabilidade da região: um ataque turco ao norte e ao leste da Síria ajudaria a reativar o governo do ISIS.

Proteger as famílias do ISIS que estão nos campos é uma questão muito complicada, a situação pode facilmente ficar fora de controle. Por exemplo, durante a de Serê Kaniye e Tel Abyad, a Turquia lançou ataques nas áreas ao redor dos campos para desestabilizá-los. Eles também fornecem ajuda aos membros do ISIS para escapar dos campos. A localização das células adormecidas perto dos campos é desconhecida, mas sabemos que os ataques da Turquia estão ajudando o ISIS a se reconstruir.

Qual é a relação entre a SDF e o governo sírio? E com outros atores?

Estamos tentando dialogar com o regime sírio para defender o solo sírio. O acordo que temos é que nós [os SDF] defenderemos as áreas sob nosso controle e que o governo sírio se encarregue de defender as fronteiras.

Estamos confiantes de que cumprirão sua obrigação; eles até fizeram uma declaração explicando sua posição sobre as políticas turcas: a Turquia está ocupando solo sírio, está se preparando para lançar mais ataques e o governo sírio os enfrentará. No comunicado, o governo sírio também exigiu que a Turquia se retirasse do território sírio. Nós [a SDF] estamos prontos para trabalhar ao lado do governo sírio na defesa de nossa terra e no fim da turca.

Também estamos trabalhando ao lado de atores internacionais, como Rússia e América, especialmente após a invasão de Serê Kaniye e Tel Abyad. Temos o apoio deles e algumas operações antiterrorismo conjuntas contra o ISIS são evidências de nossa cooperação com eles.

Instamos os atores internacionais a redigir uma declaração de condenação contra as ações turcas, como o ataque a civis e o recente assassinato de um homem de 80 anos em Qamishlo, que levou milhares de pessoas às ruas. Nosso povo sofreu muito e deu muitos mártires para defender esta terra. É por isso que pedimos ajuda aos governos internacionais e que defendam os direitos humanos, porque as ações da Turquia estão chegando ao ponto de violações arbitrárias dos direitos humanos, como cortar o fluxo de água dos rios, levando à fome; e cometer assassinatos, sequestros e roubos. Esses crimes são moralmente inaceitáveis ​​para a ética humana. 

Você pode nos contar mais sobre a situação em Deir ez-Zor?

A área é muito importante por causa de todos os diferentes povos que convergem para lá, razão pela qual é frequentemente usada como peão nas lutas de poder regionais. Há rumores de que a SDF vai sair e que o controle da área vai voltar para as mãos do governo sírio. Esses rumores fazem parte de uma estratégia para assustar as pessoas. Estamos conscientizando a população sobre esse problema. Queremos que as pessoas pensem mais criticamente sobre rumores como esses e desenvolvam suas próprias opiniões. Nossa posição em relação a Deir ez-Zor é muito clara: vamos defender a região.  

Mídia1508

A 1508 é um coletivo de jornalismo independente anticapitalista, dedicado a expor as injustiças sociais brasileiras e a noticiar as mobilizações populares no Brasil e no mundo.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Últimas Notícias