África do Sul: o sangue dos palestinos é o nosso sangue

Maior movimento de favelas e de luta que existe na África do Sul lança manifesto de solidariedade à causa palestina.

Foto: Reprodução/AbM

O manifesto de solidariedade à causa abaixo foi lançado pelo Abahlali baseMjondolo, também conhecido como AbM e “red shirts”, é um movimento de moradores de favelas na África do Sul. O movimento é notório por sua luta pelo direito à moradia. É ativo nas cidades de Durban, Pietermaritzburg e Cidade do Cabo. É o maior movimento de favelas que existe na África do Sul.

O manifesto

Nossa luta está enraizada no princípio de que o reconhecimento de nossa humanidade plena e igualitária é inegociável. Também insistimos que este princípio seja aplicado a todas as pessoas em todos os lugares. Não pode haver grupo de pessoas cuja humanidade seja negada.

Como todos sabem, uma experiência compartilhada de expropriação colonial e opressão – e de apartheid – significa que a maioria dos sul-africanos tem um profundo entendimento e preocupação com o sofrimento e a luta do povo palestino.

Como pobres negros na hoje, nossas casas continuam a ser violentamente destruídas, continuamos a ser governados pela força armada, muitas vezes militarizada, e continuamos a ser atacados com violência estatal, presos sob acusações forjadas e assassinados. Nossa humanidade é constantemente negada e nossa dignidade é constantemente vandalizada.

Por causa de nosso passado e nosso presente, temos um profundo senso de solidariedade para com o povo palestino, que continua a sofrer sob uma ocupação colonial extremamente brutal. A dor deles é a nossa dor. Sabemos o que significa viver sem saber se sua casa e a de seus filhos serão destruídas. Sabemos o que significa viver sem a proteção da lei e sob um estado que o considera fora da lei. Nós sabemos o que significa ter pessoas inocentes na prisão, pessoas cujo único crime foi defender a justiça.

O Estado israelense é um Estado criminoso, culpado de um longo crime contra a humanidade. Seu sistema de e a violência e brutalidade diárias com que é imposto devem ser condenados por todo o mundo. É o que leva muitos dos países poderosos do mundo a ficarem quietos quando Israel continua a oprimir e assassinar os palestinos. É o mesmo racismo que leva alguns meios de comunicação do mundo a se recusarem a aceitar que o que está acontecendo na é uma questão de opressão colonial brutal e não de “confrontos” ou uma questão de bairros e terras “disputados”.

Muitas pessoas perderam a vida nos ataques atuais. Esses ataques são motivados pelo ódio e uma tentativa deliberada de minar a dignidade das pessoas.

Aqueles que apoiam os ataques ao povo palestino, ou que permanecem em silêncio enquanto testemunham a repressão, são tão culpados das atrocidades quanto o governo de Israel. O sionismo tornou-se política dominante por meio da guerra e permanece dominante por causa do sistema global do imperialismo. Em 2019, o governo dos Estados Unidos dos EUA forneceu US $ 3,8 bilhões aos militares israelenses. Um estado colonial apoia outro. Os afro-americanos são baleados nas ruas pela e os migrantes são tratados como criminosos nos Estados Unidos, enquanto na as pessoas sofrem extrema opressão no dia a dia e têm suas casas roubadas e destruídas, seus lugares sagrados vandalizados e seu povo assassinado.

O mundo deve ser humanizado

Estamos com o povo da Palestina. Trabalharemos com todas as outras organizações progressistas para apoiar o trabalho de construção da solidariedade com a na e em outros lugares. Qualquer ativista palestino que esteja na África do Sul e deseje se encontrar conosco será tratado como um convidado de honra em nossas ocupações.

“Sem terra, sem casa, sem voto”, diz o cartaz em do AbM — Foto: Reprodução/AbM

Mídia1508

A 1508 é um coletivo de jornalismo independente anticapitalista, dedicado a expor as injustiças sociais brasileiras e a noticiar as mobilizações populares no Brasil e no mundo.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Últimas Notícias