Revolta nos EUA após assassinato racista pela polícia

Os manifestantes se reuniram pouco depois do ocorrido, superando os traumas do outono passado, quando o país ardeu em chamas em meio aos protestos contra a violência policial.

2 mins read
Foto: Nicholas Cholas Peosi/Reuters

Manifestantes entraram em confronto com a neste domingo (11) em Brooklyn Center, cidade próxima a Mineápolis, após um policial assassinar um homem negro durante uma abordagem. A morte de Daunte Wright, de 20 anos, ocorreu a cerca de 15 km de onde George Floyd foi morto, em maio do ano passado, também durante uma ação da nos Estados Unidos.

Wright foi baleado pouco antes das 14h de domingo após ser parado por uma infração de trânsito. Sua mãe contou a jornalistas que o filho lhe telefonou para avisar que a o parou por ter purificadores de ar pendurados no espelho retrovisor, algo que é ilegal no estado do Minnesota. Quando voltou a ligar ao filho, Katie Wright ouviu a voz da namorada do jovem, que lhe disse que ele estava morto.

Os manifestantes se reuniram pouco depois do ocorrido, superando os traumas do outono passado, quando o país ardeu em chamas em meio aos protestos contra a violência policial. Alguns deles subiram nas viaturas policiais; outros saquearam algumas lojas. Cerca de 200 foram até a delegacia de Brooklyn Center e jogaram pedras e outros objetos contra os agentes, que responderam com bombas de gás lacrimogêneo e tiros com balas de borracha.

Manifestantes entram em confronto com a polícia no domingo (11) em Brooklyn Center, subúrbio de Minneapolis, após a morte de Daunte Wright durante uma abordagem policial — Foto: Christian Monterrosa/AP
Foto: Christian Monterrosa/AP
Manifestantes protestam no domingo (11) em Brooklyn Center, subúrbio de Minneapolis, após a morte de Daunte Wright durante uma abordagem policial — Foto: Christian Monterrosa/AP
Foto: Christian Monterrosa/AP

Julgamento do caso George Floyd

A morte ocorre durante o julgamento de Derek Chauvin, ex-policial de Mineápolis acusado de matar George Floyd, que entra hoje em sua terceira semana de depoimentos.

Durante uma abordagem, Chauvin ajoelhou-se sobre o pescoço Floyd, que já estava algemado, asfixiando-o até a morte. Floyd repetiu “eu não consigo respirar” por 27 vezes enquanto Chauvin o sufocava, durante 9 minutos e 29 segundos. Ele tinha 40 anos e havia sido detido por suspeita de usar notas falsas em um mercado.

O assassinato despertou uma onda de protestos no mundo inteiro, impulsionando o movimento “Black Lives Matter” (Vidas Pretas Importam).

George Floyd estava sub custódia policial quando foi morto por policial branco — Foto: Reprodução/Facebook
Foto: Reprodução/Facebook

Mídia1508

A 1508 é um coletivo de jornalismo independente anticapitalista, dedicado a expor as injustiças sociais brasileiras e a noticiar as mobilizações populares no Brasil e no mundo.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Últimas Notícias