Congresso na Guatemala é incendiado em revolta popular

Alimentados pela raiva sobre os cortes no orçamento de 2021 em questões fundamentais, como educação e saúde, população incendeia o Congresso.

Manifestantes incendiaram parte do prédio do Congresso durante um protesto exigindo a renúncia do presidente da Guatemala Alejandro Giammattei | Orlando Estrada/AFP

Milhares de pessoas realizaram o maior já feito contra o presidente da Guatemala, Alejandro Giammattei, no dia 21 de novembro (sábado). Alimentados pela raiva sobre os cortes no orçamento de 2021 em questões fundamentais, como educação e saúde. os manifestantes incendiaram o Congresso.

Agitando bandeiras e placas da com a frase “Giammattei, renuncie”, manifestantes na Cidade da Guatemala pediam que Giammattei vetasse o orçamento, que os legisladores aprovaram na madrugada da quarta-feira passada (18).

Vídeo: Sandra Cuffe [@Sandra_Cuffe]

Em 99,7 bilhões de quetzais (US $ 12,9 bilhões), o orçamento aumentou a dívida pública enquanto cortava fundos para saúde, educação, e sistema judiciário, indignando toda a população em um ano marcado pela crise econômica da do coronavírus.

Nem mesmo com o furacão Iota inundando partes do país centro-americano que ainda luta com a destruição de uma tempestade anterior, impediu a aprovação bastante contraditória. “O Congresso alocou mais dinheiro para suas refeições e não destinou dinheiro para os pobres”, disse Diego Herrera, um estudante de 25 anos, à agência de notícias Reuters.

A maioria dos manifestantes se reunia na praça principal, outros quebraram as janelas do prédio do Congresso e incendiaram o interior, espalhando colunas de chamas e uma nuvem de fumaça cinza podia ser vista a quarteirões de distância. Manifestantes incendiaram também paradas de ônibus durante confrontos com a de choque.

A disparou gás lacrimogêneo contra os manifestantes que responderam com paus e pedras. Algumas pessoas ficaram feridas.

Vinte e duas pessoas foram presas, segundo jornais locais.

“Estamos indignados com a pobreza, a injustiça e a forma como roubaram o dinheiro público”, disse Rosa de Chavarría, professora de psicologia, ao jornal The Guardian. “Eu sinto que o futuro está sendo roubado de nós. Não vemos nenhuma mudança. Isso não pode continuar assim ”, acrescentou Mauricio Ramírez, um estudante universitário de 20 anos, também ao The Guardian.

O descontentamento cresceu nas redes sociais ao longo do orçamento de 2021 e os confrontos surgiram durante as manifestações de sexta-feira (20).

Os guatemaltecos ficaram irritados porque os legisladores aprovaram quase £ 50.000 para pagar suas refeições, mas cortaram o financiamento para pacientes com e agências de direitos humanos.

Os manifestantes também ficaram incomodados com as recentes ações da Suprema Corte e do Procurador-Geral que viram como tentativas de minar a luta contra a corrupção.

Rafael Daguerre

Fotojornalista/Videorrepórter

Um dos fundadores da Mídia1508. "Ficar de joelhos não é racional. É renunciar a ser livre. Mesmo os escravos por vocação devem ser obrigados a ser livres, quando as algemas forem quebradas" ― Carlos Marighella.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Últimas Notícias