Revolta pode pôr fim à polícia na cidade de Minneapolis, nos EUA

Foto: Reprodução

Desde que George Floyd murmurou as palavras “não consigo respirar” várias vezes sob o joelho de um policial branco, que o levou a morte, os protestos contra o e a correm o mundo, inclusive no Brasil. Após o assassinato de Floyd, os pedidos de redução de agências policiais como forma de reduzir a brutalidade policial e o excesso de policiamento nas comunidades pretas se espalharam. Na última semana, as Escolas Públicas de Minneapolis, a Universidade de Minnesota e o Serviço de Parques de Minneapolis romperam com o Departamento de Polícia da cidade, que está sendo investigado pelo Departamento de Direitos Humanos do estado para determinar se seus protocolos atuais são racistas.

Na tarde deste domingo (7/6), o Conselho Municipal de Minneapolis votou a favor do fim da força policial e anunciou a recriação de um modelo de segurança liderado pela própria comunidade. O Departamento de Polícia da cidade sofreu críticas incansáveis ​​após o assassinato de George Floyd pela polícia, um homem preto de 46 anos de idade que estava sob custódia policial quando foi torturado e assassinado, em 25 de maio. 

“Estamos aqui porque ouvimos vocês. Estamos aqui hoje (7/6) porque George Floyd foi morto pela polícia de Minneapolis. Estamos aqui porque aqui em Minneapolis e em cidades dos Estados Unidos, está claro que nosso sistema de policiamento e segurança pública não mantém nossas comunidades seguras”, afirmou a presidente da Câmara Municipal de Minneapolis, Lisa Bender. “Nossos esforços em reformas incrementais falharam.”

O anúncio também chega depois que vários membros do Conselho expressaram uma completa perda de confiança no Departamento de Polícia de Minneapolis.

Foto: Reprodução

“Vamos desmantelar o Departamento de Polícia de Minneapolis”, twittou o membro do Conselho Jeremiah Ellison em 4 de junho, comprometendo-se a “repensar dramaticamente” a abordagem da cidade para emergências. Em uma publicação da revista TIME publicada no dia seguinte, o membro do Conselho Steve Fletcher citou o longo histórico de más condutas da Polícia e a “história de décadas de violência e discriminação” – todos os quais são objeto de uma investigação em andamento do Departamento de Direitos Humanos de Minnesota – como justificativas convincentes para a dissolução do departamento. “Podemos resolver a confusão de uma transação de supermercado de vinte dólares sem sacar uma arma ou usar as algemas”, escreveu Fletcher . 

Durante anos, ativistas argumentaram que a Polícia não conseguiu realmente manter a cidade segura, e os membros do Conselho da Cidade ecoaram esse sentimento ontem durante o anúncio. O histórico da Polícia na cidade para solucionar crimes graves é consistentemente baixo. Por exemplo, em 2019, a polícia de Minneapolis resolveu apenas 56% dos casos em que uma pessoa foi morta. Para estupros, a taxa de resolução do departamento de polícia é extremamente baixa. Em 2018, a taxa foi de apenas 22%. Em outras palavras, quatro em cada cinco estupros não são resolvidos em Minneapolis.

A decisão do Conselho é consistente com a opinião pública que mudou rapidamente em relação à urgência de rever o modelo do país de aplicação da lei. Desde o assassinato de Floyd e os protestos que se seguiram, as autoridades de Los Angeles e da cidade de Nova York pediram cortes profundos nos orçamentos inchados da polícia e realocando esses fundos para educação, moradia a preços acessíveis e outros serviços sociais. A conclusão é de que os policiais não estão preparados para serem especialistas em responder a crises de saúde mental, muitas vezes levando a resultados trágicos – nos , cerca de metade dos assassinatos cometidos pela polícia envolve alguém vivendo com doença mental ou deficiência. Como resultado, especialistas em saúde pública há muito tempo defendem o envio de profissionais médicos e/ou assistentes sociais, e não policiais armados, para responder a chamadas relacionadas ao uso de substâncias e saúde mental.

Foto: David Joles / AP Photo

“Nosso compromisso é fazer o que é necessário para manter todos os membros da nossa comunidade seguros e dizer a verdade que a polícia de Minneapolis não está fazendo isso”, disse Bender no domingo. “Nosso compromisso é acabar com o relacionamento tóxico de nossa cidade com o Departamento de Polícia de Minneapolis, acabar com o policiamento como o conhecemos e recriar sistemas de segurança pública que realmente nos mantêm seguros”.

Fica evidente que os protestos e as revoltas que varreram o país – e que ainda ocorrem – levaram a conscientização de boa parte da população de que não há como aceitar uma instituição racista e armada. Emerge lentamente uma mudança que pode ser significativa para uma transformação ainda maior.

Os atos aprofundaram a crise política enfrentada pelo presidente Donald Trump, que ameaçou enviar tropas às ruas diversas vezes. Grandes multidões continuam a ir às ruas nos Estados Unidos.

“Uma maioria do Conselho Municipal à prova de veto acabou de concordar publicamente que o Departamento de Polícia de Mineápolis não é reformável e que acabaremos com o sistema de policiamento atual”, disse Alondra Cano, integrante do conselho, no Twitter.

Rafael Daguerre

Fotojornalista/Videorrepórter

Um dos fundadores da Mídia1508. "Ficar de joelhos não é racional. É renunciar a ser livre. Mesmo os escravos por vocação devem ser obrigados a ser livres, quando as algemas forem quebradas" ― Carlos Marighella.

Deixe seu comentário

Your email address will not be published.