Um militar da Força Aérea Brasileira (FAB) foi detido nesta terça-feira (25) sob a acusação de transportar 39 quilos de cocaína dentro do avião da equipe que dá suporte à comitiva do presidente . Ele integrava o grupo de 21 militares que partiu de com destino a Tóquio, no Japão, e fez escala no aeroporto de Sevilha, no sul da Espanha.

Segundo a Guarda Civil, força da polícia espanhola responsável pelo controle aduaneiro, a droga estava dividida em 37 pacotes dentro da bagagem de mão do segundo-sargento Manoel Silva Rodrigues, de 38 anos. “Nem sequer estavam camuflados entre as roupas”, destacou uma fonte ligada à divisão policial.

Manoel Silva Rodrigues

Rodrigues, que fez 29 viagens pela FAB, acompanhava pessoalmente presidentes em missões desde 2017, tendo ido, inclusive, a Zurique, na Suíça, com Michel Temer no ano passado. Em maio de 2016, quando esteve com autoridades em uma ida de Dilma Rousseff à cidade de Juazeiro do Norte (CE).

As informações constam no Portal de Transparência do governo, no qual também é informado o valor da remuneração líquida do sargento, de R$ 6.081,90.

Com Bolsonaro, o militar viajou em fevereiro, entre e Brasília. No mês seguinte, participou do transporte do escalão avançado da presidência, passando por Brasília, e Porto Alegre.

Envergonhado, o líder de extrema-direita brasileiro tentou limpar a imagem do militarismo nacional: “As forças armadas tem em seu contingente mais de 300 mil homens e mulheres formados nos mais íntegros princípios da ética e da moralidade” afirmou Bolsonaro em um texto publicado no Twitter, logo após a divulgação da notícia.

“Caso seja comprovado o envolvimento do militar nesse crime, o mesmo será julgado e condenado na forma da lei”, conclui, em um tom legalista, bem diferente do que costuma adotar ao aplaudir a execução de jovens pretos e pobres pela polícia nas favelas.

Caso anterior

Não é a primeira vez que um membro da é acusado de usar a condição de militar para tentar traficar cocaína para o país europeu. Em abril de 1999, o tenente-coronel Sérgio Pereira de Oliveira, o major Luiz Antônio da Silva Griff e o coronel Washington Vieira da Silva foram interceptados pela Polícia Federal com 33 kg da substância em Recife, enquanto se preparavam para decolar com uma aeronave da corporação rumo a Palmas de Gran Canaria.

O fato chegou até a render um verso do rapper Black Alien, na música “Um bom lugar”, gravada juntamente com Sabotage: “quem tá no erro sabe, cocaína no avião da FAB.”