Diante das últimas ameaças contra os territórios do Zapatista de Libertação Nacional (EZLN), militantes, intelectuais e coletivos de todo o mundo, publicam uma carta de apoio aos companheiros zapatistas, denunciando os ataques do atual governo mexicano – assinam Mumia Abu-Jamal, Raoul Vaneigem, Pablo Gonzalez Casanova, Isabelle Stengers, Immanuel Wallerstein, Giorgio Agamben, Silvia Federici, Raúl Zibechi, Toni Negri, Eduardo Viveiros de Castro e centenas de outros. Leia a carta abaixo:

“Nós, intelectuais, acadêmicos, artistas, ativistas e outros solidários, bem como organizações, associações e coletivos de todo o mundo, expressamos nossa solidariedade com o Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN) neste momento crítico de sua história, e condenamos a campanha contínua de desinformação, mentiras e difamações dirigidas contra os zapatistas.

Para nós e para muitos outros ao redor do mundo, a luta zapatista é uma referência central para a , a dignidade, a integridade e a criatividade política. 25 anos atrás, o grito de Ya Basta! foi um acontecimento historicamente importantíssimo e uma das primeiras rejeições categóricas da globalização neoliberal em escala planetária, pois abriu caminho para a crítica e a recusa de um modelo que na época parecia inquestionável. Ela foi, e continua a ser, uma expressão da luta legítima dos povos contra a dominação e o desprezo que sofreram durante séculos a seus direitos à autonomia.

O autogoverno que os zapatistas colocaram em prática com as Juntas de Bom Governo nos cinco Caracóis é um exemplo de democracia radical que inspira as pessoas e deve ser estudada nos departamentos de ciências sociais ao redor do mundo. Para nós, a construção zapatista da autonomia representa a busca persistente e honesta de um modelo alternativo e emancipatório crucial para uma humanidade que enfrenta os desafios de um mundo que está afundando rapidamente em um aprofundamento da crise econômica, social, política, ecológica e humana.

Portanto, expressamos nossa preocupação com comunidades zapatistas e muitos outros povos indígenas no México, cujos territórios estão sendo atacados pela mineração, turismo, agronegócios e grandes projetos de infraestrutura, etc., como denunciados recentemente pelo Congresso Nacional Indígena (CNI), pelos Povos Indígenas e pelo Conselho Indígena de Governo (CIG) do México.

Neste exato momento, o novo governo mexicano está impondo uma série de projetos de desenvolvimento em larga escala – incluindo o Corredor trans-istmo, um projeto comercial para plantio de árvores de um milhão de hectares e o chamado “Trem Maia” – que aSubcomandante Moisés, porta-voz do EZLN, recentemente denunciou como uma humilhação e provocação que teria impactos muito sérios nos territórios dos povos maias do sudeste mexicano.

Além dos efeitos ambientais devastadores e do enorme desenvolvimento turístico que o “Trem Maia” é projetado para liberar, estamos preocupados com o pseudo-ritual pedindo permissão da Mãe Terra que foi usada para legitimar a corrida para começar a colocar os trilhos, um ato que o porta-voz zapatista denunciou como inaceitável zombaria. Estamos indignados com a preparação contínua para novos ataques aos territórios zapatistas e a negação dos direitos dos povos indígenas, incluindo seu direito à consulta e consentimento prévio, livre e informado, conforme estabelecido na Convenção 169 da OIT e na Declaração da ONU sobre Povos Indígenas. Isso representa uma séria violação dos compromissos internacionais do México.

Fazemos nossa a total rejeição do EZLN a esses e outros megaprojetos que ameaçam seriamente os territórios e modos de vida autônomos dos povos indígenas.

Denunciamos antecipadamente qualquer agressão contra as comunidades zapatistas, seja diretamente pelo Estado mexicano, seja por meio de grupos ou organizações de “civis” armados ou desarmados. Responsabilizamos o governo mexicano por qualquer confronto que possa surgir através da tentativa de implementação desses megaeventos. projetos, que representam um modelo já extinto, insustentável e devastador de “desenvolvimento” que é determinado dentro das mais altas esferas de poder em violação dos direitos dos povos originais.

Pedimos a todas as pessoas de bom coração que vejam a atual onda de desinformação sobre os zapatistas e os megaprojetos propostos, e estejam atentos ao risco iminente de agressão contra as comunidades zapatistas e outros povos indígenas.

Apoie!

Salve o EZLN!
Salve as lutas dos povos do Terceiro Mundo!
Venceremos!

Texto original: https://bit.ly/2MvMP7Z