Um manifestante corre na terceira noite de protestos desencadeados pela morte de um motorista de 17 anos pela polícia no subúrbio de Nanterre, em Paris, França — Foto: Aurelien Morissard/AP Photo
/

A polícia francesa matou Nahel porque o racismo francês permitiu

O presidente Macron sabe que o assassinato não é "inexplicável", mas até que a França reconheça o racismo institucional, nada mudará.

Texto publicado no dia 30 de junho.
Tradução Mídia1508.

Por Cristal M. Fleming

Nesta semana, a polícia francesa matou brutalmente um jovem de 17 anos em plena luz do dia durante uma parada de trânsito. A polícia inicialmente mentiu e acusou o jovem de tentar atropelar um policial. E, como costuma acontecer, a mídia nacional relatou as invenções policiais como fatos – até que o vídeo do celular de um espectador mostrou a verdade devastadora.

Até agora, pessoas em todo o mundo viram as imagens horríveis da polícia francesa brandindo rifles e ameaçando os ocupantes de um veículo amarelo no subúrbio parisiense de Nanterre, antes de executar sumariamente o motorista adolescente com uma bala na cabeça enquanto ele se afastava. Ao contrário das falsas alegações da polícia, nenhum policial estava parado na frente do carro ou fisicamente ameaçado pelo jovem que se afastava.

As imagens do tiroteio produziram o que o clássico sociólogo francês Émile Durkheim chamaria de “choque na consciência coletiva”. Os protestos eclodiram em todo o país, apenas para serem recebidos com o envio de milhares de policiais, gás lacrimogêneo e promessas de restaurar a “ordem pública”.

Infelizmente, não é surpresa que Nahel, o adolescente francês cuja vida foi interrompida tragicamente pela polícia, fosse descendente de argelinos.

A França tem uma longa e sórdida história de colonial e violência contra pessoas racializadas como “não-brancas”, estendendo-se do Haiti, e Martinica no Caribe até a Ilha Reunião no Oceano Índico, Norte e Oeste da África, bem como o Vietnã, entre muitas outras populações. A França oprimiu impiedosamente o povo argelino em particular – incluindo aqueles que são cidadãos franceses.

De fato, a colonização francesa da Argélia remonta ao início de 1800 e envolveu o uso generalizado de violência brutal e assassinatos em massa para estabelecer o domínio francês.

Durante a guerra pela independência da Argélia (1954-1962), centenas de milhares e possivelmente mais de 1 milhão de argelinos foram massacrados e sistematicamente torturados pelo regime francês em uma tentativa desesperada de manter seu império colonial em nome da “liberté, egalité et fraternité” – liberdade, igualdade e fraternidade.

Historicamente, a violência policial também tem como alvo árabes e negros na França. Em 1961, a polícia francesa matou mais de 100 árabes franceses que protestavam pacificamente em Paris.

Dezenas de milhares de pessoas marcharam em apoio à independência da Argélia e em protesto contra o toque de recolher imposto para reprimir a dissidência. Em resposta, a polícia matou franceses argelinos nas ruas, chegando a afogar os manifestantes no rio Sena. A morte documentada mais jovem foi a de outra adolescente — Fatima Beda, de 15 anos. Em uma era muito anterior aos smartphones, as autoridades francesas se envolveram em um acobertamento descarado e amplamente bem-sucedido que durou décadas. Demorou mais de 50 anos para um presidente francês reconhecer o que aconteceu. Mesmo agora, não houve nenhum pedido oficial de desculpas.

O contexto histórico do colonial e do policiamento que levou ao assassinato de Nahel em Nanterre está praticamente ausente dos relatos dominantes de políticos brancos franceses e especialistas da mídia.

Apesar do fato de que os assassinatos policiais na França estão aumentando com a maioria das vítimas sendo negras ou árabes, a realidade do sistêmico na França é rotineira e agressivamente negada pelas autoridades francesas sob os véus gêmeos do daltonismo e da arrogância cultural.

Os franceses brancos, em particular, estão mais à vontade para interpretar a execução de um jovem francês do norte da África em 2023 como resultado de problemas intratáveis ​​de imigração e pobreza nos subúrbios (conhecidos como “banlieues”) ou a consequência de um policial mal treinado puxar o gatilho – a proverbial “maçã podre”.

Após protestos em massa, o presidente francês Emmanuel Macron chamou o assassinato de “inexplicável”. Mas isso também é outra invenção francesa e uma forma de negação persistente. A morte de Nahel não é um mistério insolúvel – foi resultado de um sistêmico.

Estudos há muito demonstram um amplo viés racial no policiamento francês visando principalmente os árabes e negros. Em 2020, a própria ouvidoria de da França descobriu que os jovens racializados como árabes ou negros têm 20 vezes mais chances de serem perfilados e parados pela polícia.

A Comissão Europeia contra o e a Intolerância há muito alerta sobre a discriminação racial perpetrada pela polícia francesa, e as comunidades locais frequentemente reconhecem o alto preço de serem demonizadas e assediadas como resultado da ideologia racista. Os nomes das minorias racializadas que foram vítimas da violência policial na França nas últimas duas décadas – Zyed e Bouna, Adama Traoré, Théo, entre outros – deixaram um registro angustiante de impunidade policial.

Quando esses tipos de assassinatos policiais acontecem nos Estados Unidos, como acontece com tanta frequência, geralmente há um reconhecimento na mídia e entre os liberais e esquerdistas de que o é uma causa fundamental.

Na França, liberais e esquerdistas costumam unir forças com extremistas de direita para negar a existência do francês. Na verdade, como defendo em meu livro Resurrecting Slavery: Racial Legacies and White Supremacy in France, a reputação global dos Estados Unidos como uma sociedade especialmente racista é um fator-chave que permite à França e outras nações europeias minimizar e negar sua própria discriminação racial, intolerância e discriminação.

Muitos escritores e intelectuais afro-americanos proeminentes que se mudaram para a França durante o início e meados do século 20 também alimentaram o mito do daltonismo francês. James Baldwin foi uma notável exceção à regra. Refletindo sobre sua experiência na França, ele escreveu: “Vivi principalmente entre os miseráveis ​​— e, em Paris, os miseráveis ​​[eram] argelinos”.

Hoje, os miseráveis, aqueles que se encontram na mira do racismo, da islamofobia e dos fuzis da polícia, ainda são argelinos.

Chegou a hora de a França ir além do ciclo familiar de violência e negação do estado para um reconhecimento honesto do sistêmico, bem como um compromisso de implementar políticas para lidar com a discriminação generalizada e preconceitos no policiamento, emprego, educação e política.

A verdadeira violência em jogo não é apenas a queima de edifícios e a destruição de propriedades – é o custo humano muito real de vítimas como Nahel somando-se à contagem de corpos produzida por séculos de opressão francesa.


Crystal M. Fleming é professora de Sociologia e Estudos Africanos na Stony Brook University e autora de Resurrecting Slavery: Racial Legacies and White Supremacy in France.

Foto de capa: Manifestante corre na terceira noite de protestos desencadeados pela morte de jovem de 17 anos pela polícia no subúrbio de Nanterre, em Paris, França — Foto: Aurelien Morissard/AP Photo.

Mídia1508

A 1508 é um coletivo de jornalismo independente anticapitalista, dedicado a expor as injustiças sociais brasileiras e a noticiar as mobilizações populares no Brasil e no mundo.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Últimas Notícias