Relembrar Luisa Toledo Sepúlveda: a mãe da juventude combatente do Chile

Luisa Toledo Sepulvéda faleceu aos 82 anos, na última terça-feira, dia 6 de julho, após lutar contra uma doença crônica.

24 mins read
Luisa Toledo Sepulvéda, 1939-2021 — Foto: Reprodução

O texto a seguir é uma homenagem e um relato direto do Chile, realizado pelo coletivo CrimethInc e traduzido pela Mídia1508.

Luisa Toledo Sepúlveda foi lutadora ao longo da vida e mãe de três filhos mortos lutando contra a ditadura de Augusto Pinochet. Ela faleceu esta semana após muitas décadas de atividade, tendo inspirado milhares a participarem dos esforços que acabaram por derrubar a ditadura e seu legado. Na seguinte homenagem, nossos correspondentes no exploram seu legado e relatam as cerimônias fúnebres para ela, que exemplificam o que alguns chamam de “luto rebelde”. Uma das recompensas de participar de lutas sociais é que você se torna parte de algo maior do que você, que pode sobreviver a você. ¡Luisa Toledo Presente!

A caravana de Villa Francia ao Cemitério.

Há décadas as pessoas em todo o passam o 29 de março, o Dia da Juventude Combatente (Dia del Joven combatiente), com vigílias e protestos em homenagem aos dissidentes políticos assassinados pela ditadura de Pinochet, e comemorando o papel que os jovens rebeldes desempenham na mudança social. A data marca o dia de 1985 em que dois irmãos, Rafael e Eduardo Vergara Toledo, de 18 e 20 anos, ambos universitários e militantes do MIR (Movimiento de Izquierda Revolucionaria), foram baleados por uma patrulha policial na Estação Central setor de Santiago. Uma das razões pelas quais as pessoas relembram este aniversário é o compromisso ativo e contínuo de seus pais, Luisa Toledo e Manuel Vergara, que lembram seus filhos como partidários que participaram das revoltas anti-Pinochet dos anos 1980.

Uma líder mapuche consolando o marido de Luisa, Manuel Vergar

Luisa Toledo Sepulvéda faleceu na terça-feira, 6 de julho de 2021, após lutar contra uma doença crônica. Durante toda esta semana, autoridades eleitas – incluindo a presidente da assembleia constitucional – prestaram homenagem a ela como uma corajosa defensora dos direitos humanos contra a ditadura de Pinochet. Em contraste, gerações de jovens rebeldes a lembram como a mãe da luta combativa, que testemunhou o fato de que foi uma revolta generalizada que acabou com o regime de Pinochet, não uma urna eleitoral. Em cada dia del joven combatiente, assim como no conflito mapuche em curso pela autonomia territorial e no estallido social (levante popular) de 2019, ela continuou a jogar luz nas contradições entre democracia e justiça, afirmando a revolta como um caminho para a justiça em face à violência do Estado.

The funeral for Luisa Toledo Sepulvéda.

Da Família Vergara Toledo

    COMUNICADO (Santiago do Chile)

    À comunidade nacional e internacional

    Às mulheres, às crianças, aos idosos e aos homens ilustres desta terra

    Aos presos políticos

    Aos clandestinos que seguem através das rebeliões

    Ao povo Mapuche

    Àqueles que lutam

    Aos moradores de Villa Francia

    Aos jovens combativos:

    É com profunda tristeza que informamos a todos da morte de nossa querida camarada Luisa Toledo Sepúlveda. Cercada por seu círculo familiar mais íntimo, ela faleceu pacificamente na privacidade de sua casa na manhã de terça-feira, 6 de julho.

    Nessa fria manhã de julho, estávamos orgulhosos de poder dizer adeus a uma pessoa inabalável, atemporal e essencial mulher. E embora Luisa nos deixe fisicamente, seu legado penetrou profundamente na história de quem luta além das fronteiras deste território chamado Chile.

    Com coragem incalculável, Luisa lutou por uma justiça que nunca recebeu depois do assassinato de seus filhos Eduardo, Rafael e Pablo, uma dor que a tornou inquebrável sua decisão de lutar.

    O dia de hoje ficará marcado como um antes e um depois com a marca indelével da Luisa. Luísa, mãe dos jovens lutadores, continuará sendo um farol infalível para os que lutam.

    Que seja conhecido por todos os traidores e por aqueles que permanecem confortáveis ​​durante os momentos de revolta, que sua tenacidade e consistência continuarão sendo os primeiros passos para novos caminhos de lutas e rebeliões em todos os cantos pobres deste mundo.

    Compañera Luisa Toledo Sepúlveda, Presente

    Villa Francia, 6 de julho de 2021

    #LuteComoLuisa

    #MãeDaJuventudeCombatente

    #LuisaVive

    #TodoDiaNasceUmJovemCombatente

    #VillaFrancia

    #LiberdadeParaOsPrisioneirosDaRevolta

The funeral for Luisa Toledo Sepulvéda.

Belamente Violentos

No dia do Jovem Combatente, a vigília principal acontece no bairro de Villa Francia. No monumento Villa Francia, uma multidão se reúne diante de um pódio para ouvir o testemunho daqueles que sofreram a violência do Estado – e lutaram contra ela. Na maioria dos anos, os palestrantes incluem pais de jovens Mapuche mortos no sul do e familiares de prisioneiros políticos. Depois da música ao vivo, Luisa subia no palco e fazia um discurso para a multidão. Ao pôr-do-sol, ela voltaria a atenção para os jovens que se preparavam para sair às ruas para construir barricadas e enfrentar a polícia:

O último discurso de Luisa Toledo no dia da combativa juventude.

“Certamente”, disse Luisa, “acredito que a violência dentro de nós é justa. É necessária. Acredito que não podemos mais tentar dar a outra face do rosto. Esse lema não é apenas uma mentira, mas também não é bom para ninguém. Não pode ser. Temos que ser capazes de nos defender sendo belamente violentos. Devemos cobrir nossos rostos (“encapucharse”) e sair à rua para ser contra tudo o que representa os atrozes poderes contra os quais lutamos ”.

Faixa: “Luisa Toledo, mãe do povo combativo, seguimos o seu exemplo até vencer”

A Vigília à Luz de Velas

Na terça-feira, 6 de julho de 2021, uma vigília à luz de velas aconteceu no Espacio Comunitaria Pablo Vergara, um espaço comunitário com o nome de um terceiro filho de Luisa Toledo, que foi encontrado morto em 1988, após a explosão de uma bomba. O público prestou suas homenagens a ela: uma multidão lentamente se reuniu do lado de fora, composta por grupos de toda a cidade. Penduraram faixas nas árvores e cercas ao redor para representar seus respectivos bairros, organizações e tendências políticas, depois se juntaram à fila de pessoas que esperavam para prestar seu último adeus a Luisa. Grupos de mascarados (encapuchadxs) circulavam pela multidão com as mãos cheias de moedas, pedindo dinheiro para comprar fogos de artifício para a marcha daquela noite.

Encapuchadxs entrando no Espacio Comunitaria Pablo Vergara para prestar seus respeitos à família Toledo Vergara.

Ao lado de outras pessoas, cujos entes queridos foram torturados ou assassinados durante o reinado de Augusto Pinochet, Luisa Toledo desempenhou um papel fundamental como testemunha das atrocidades cometidas pela ditadura apoiada pelos Estados Unidos. Ela e seu marido, Manuel Vergara, estiveram envolvidos com os Vigários da Solidariedade (La Vicaría de la Solidaridad), gravando depoimentos sobre a violência do Estado para os relatórios internacionais da organização católica dos direitos humanos. Como muitos de seus vizinhos em Villa Francia, um bairro conhecido por sua longa história de organização comunitária e ação política, os dois desempenharam um papel ativo nas ollas comunes (cozinhas comunitárias) e protestos contra a ditadura ao longo da década de 1980.

Em resposta ao seu ativismo político, a sujeitou a família Vergara Toledo à vigilância e assédio constantes. Quando a polícia assassinou seus filhos, a versão oficial não mencionou a dissidência política da família, alegando que os irmãos haviam tentado roubar uma padaria. Na verdade, a narrativa da polícia não tinha nenhuma semelhança com o que aconteceu de verdade.

Mapuches prestando suas últimas homenagens.

Na terça-feira, ao cair da noite na vigília, os grupos começaram a entoar cantos em homenagem a Luísa. Em chamada e resposta, a multidão gritava:

“Companera Luisa!”

“Presente!”

“Ahora!”

“Y siempre!”

“Lucharemos!”

”Hasta Vencer o Morir!”

As pessoas na multidão enfatizavam essas palavras com fogos de artifício e tiros toda vez que eram cantadas.

Um altar para Luisa Toledo na Estação Central, sobre um memorial erguido para aqueles que perderam suas vidas durante o Estallido Social de 2019.

    “Eu sou absolutamente partidária da violência! Para que não nos espanquem de novo, nos matem de novo, nos prendam e nos desapareçam de novo! Por que eles exigem que sejamos pacifistas até a morte? Por que nós? Por que não podemos usar a violência contra eles? Não me peça para ser pacifista. Eu nunca serei! Chega o mês de março e os jovens voltam a mim … Vejo o sorriso do Rafael em cada criança, em cada jovem que sai para lutar. A serenidade de Pablo, a eloquência de Eduardo, e eu sou assim, companheiros. ”

    -Luisa Toledo

Pessoas com fogos de artifícios em cima do mausoléu, no funeral de Luisa.

Nas chamadas “transições para a democracia” ocorridas no e em vários outros países no final do século XX, surgiram fissuras entre os movimentos pela democracia e os movimentos pela justiça. Muitas vezes as pessoas pressionavam aqueles que falavam das vítimas da violência do Estado – tanto durante quanto depois das ditaduras – a afirmar sua inocência e civilidade diante de um tratamento arbitrário e injusto. Os movimentos pela democracia valorizam a “civilidade” como um princípio central do sistema liberal democrático que procuram estabelecer. Nesse contexto, os torturados durante a ditadura e os entes queridos dos desaparecidos pelos militares e policiais só podem exigir justiça na medida em que as vítimas ocupem uma posição moral indiscutível como cidadãos inofensivos e respeitadores da lei.

Rejeitando a escolha entre retratar seus filhos como vítimas inocentes ou deixar que eles sejam retratados como delinquentes criminosos, Luisa afirmou sua militância como revolucionários e seu papel como partidários nas revoltas contra o Estado e o capitalismo. Começando com a revolta pela fome de 1983, protestos generalizados e difusos já abalavam o regime de Pinochet em seus alicerces. Como militantes do Movimiento Izquierda Revolucionario (MIR), seus filhos estavam comprometidos com a nas insurreições contra a ditadura. Antes e durante o reinado de Pinochet, a atividade política do MIR incluiu ações como a construção de barricadas para proteger os manifestantes da violência policial, saqueio de lojas e roubo de caminhões de distribuição para redirecionar recursos para cozinhas comunitárias e estabelecimento de conexões entre ocupações de terras urbanas e rurais. Luisa as afirmou como formas legítimas e necessárias de engajamento político.

Como na suja na Argentina, o regime de Pinochet procurou apresentar o MIR e a dissidência política em geral como parte de um movimento guerrilheiro armado que buscava derrubar violentamente o Estado para instalar um regime comunista.

Em resposta, a maior parte da oposição de Pinochet, incluindo as organizações sociais e partidos políticos que operaram clandestinamente, procuraram enfatizar sua civilidade em face da violência do Estado. Isso significava afirmar que as ações militantes em protestos eram obra de jovens delinquentes ou de agitadores externos que nada tinham a ver com o movimento pela democracia; muitos chegaram mesmo a afirmar que as ações de grupos como o MIR foram realizadas por infiltrados da que encenaram confrontos violentos como pretexto para Pinochet legitimar a violência de seu regime.

Servindo como carregadores, os encapuchadxs escoltam a família Vergara Toledo no cortejo fúnebre.

O Cortejo Fúnebre

No dia seguinte à vigília, houve um cortejo fúnebre de 11 quilômetros de Villa Francia ao Cemitério Geral em homenagem a Luisa. Atrás da família Vergara Toledo, uma caravana de carros, ônibus e encapuchadxs em bicicletas se estendia por quarteirões. Enquanto a caravana passava pelo centro de Santiago, grupos de encapuchadxs começaram a saquear lojas, montar barricadas e pichar palavras de amor para Luisa. Enquanto a caravana fechava o trânsito na Alameda, muitos veículos parados no trânsito buzinavam ao ritmo da marcha. Embora os ciclistas tenham bloqueado os cruzamentos, em uma ocasião, motociclistas furiosos tentaram passar pela caravana. Para defendê-la, uma multidão de encapuchadxs desceu sobre os carros, quebrando seus espelhos e faróis.

Caravana a caminho de Villa Francia, onde fica o Cemitério Central.

    “Quando parei para descansar ao lado da Alameda, uma criança veio até mim e me ofereceu um pedaço de chocolate. Aceitei de bom grado, e ele puxou a embalagem amarela da barra de chocolate para quebrar um quadrado para mim. Olhei para meus amigos alguns metros à frente e vi mais pessoas oferecendo o mesmo chocolate com o mesmo rótulo amarelo. Um grupo de encapuchadxs havia saqueado um posto de gasolina próximo e deram uma barra para o cabro (garoto) e seus pais. A mãe deixou ficar com ele com a condição de que ele compartilhasse com outras pessoas no cortejo.”

    -Antonio

A caminhada no Cemitério Central.

Quando a caravana chegou aos portões do Cemitério Geral, os carros e ônibus estacionaram e as pessoas seguiram para o cemitério. As pessoas prestaram homenagem a uma série de figuras importantes enquanto o cortejo fúnebre passava por seus túmulos: Allende, Gladys Marin, Violetta Parra e os Colo-Colo Cracks (os lendários jogadores de futebol do time Colo-Colo).

A tumba vandalizada de Jaime Guzman.

    “Uma das primeiras tumbas que você vê quando entra no Cementerio General pertence a Jaime Guzman, o assassino em massa fascista que criou a constituição de Pinochet. Sempre sonhei em vandalizar seu túmulo, mas outros antes de mim no cortejo já haviam vandalizado seu túmulo quando lá cheguei. Em vez disso, me conformei em me juntar à fila de pessoas que cuspiam em seu túmulo. ”

    -Maria

Multidão subindo no mausoléu no final do cortejo fúnebre.

Continuando a comemorar a vida de Luisa, a multidão subiu no topo dos mausoléus circundantes para pendurar faixas e acenar bandeiras, continuando a entoar e lançar fogos de artifício. Dispersando-se por todo o Cemitério Geral, grupos de jovens picharam citações inspiradoras de Luisa em mausoléus ao redor do cemitério. Uma pessoa ouviu um jovem perguntar a um amigo: “É uma má ideia pichar este mausoléu?” e respondeu: “Ei, ele tinha que ser um grande idiota para pagar um mausoléu maior do que a sua casa!”

O desafio de Luisa de ser belamente violenta (ser hermosamente violenta) é tanto um chamado quanto uma provocação. Em vez de ditar às multidões de jovens o que deveriam fazer, como as legiões de organizações sociais e partidos políticos de que recuperaram a presença pública após a ditadura, ela desafiou os jovens a terem integridade para responder à injustiça de forma adequada. Mais do que o tipo de violência que é decretada contra uma comunidade, ou uma violência simétrica entre as forças do estado e anti-estado, os discursos de Luisa no dia da juventude combativa afirmaram a autodefesa como uma parte assimétrica, mas necessária da luta por justiça e para criar as condições para o mundo que queremos construir.

Faixa: “Quem se esquece dos presos, esquece-se da própria luta”

À medida que o estallido social dá lugar à assembleia constitucional, centenas de jovens rebeldes permanecem na prisão, seja acusados ​​de crimes relacionados com protestos ou em prisão preventiva à espera de julgamento. Cresceu um movimento para exigir a libertação de todos os prisioneiros da revolta. Esse movimento inclui grande parte dos delegados constitucionais que se recusaram a negociar até que os presos sejam libertos. Inevitavelmente, essa discussão levará a debates matizados sobre questões como quem é considerado prisioneiro da revolta? Quais ações são políticas e quais ações são criminosas?

Luisa nos deixa uma lição de como escapar dessa armadilha discursiva. Em vez de debater quem incluir ou excluir, podemos começar por afirmar que o resultado final da ruptura e da destruição ocorrida durante o estallido social foi produzir as condições para as profundas mudanças institucionais que agora começamos a testemunhar. O importante não é ser civilizado, mas sim lutar.

“Luisa Toledo – presente em todas as barricadas” (…) “Somos lindamente violentos”, graffiti no Cementerio General.

Esta matéria é uma tradução da reportagem do Coletivo CrimethInc.
A matéria orginal pode ser encontrada aqui.

Mídia1508

A 1508 é um coletivo de jornalismo independente anticapitalista, dedicado a expor as injustiças sociais brasileiras e a noticiar as mobilizações populares no Brasil e no mundo.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Últimas Notícias